Ogier acha que WRC precisa considerar um futuro elétrico

O Campeonato Mundial de Rally deve considerar a possibilidade de se tornar elétrico, seja totalmente como a Fórmula E, ou um sistema híbrido como o da Fórmula 1, para continuar sendo relevante, de acordo com o atual campeão Sebastien Ogier.

Um futuro com a energia elétrica já foi discutido anteriormente no WRC, mas atualmente não há planos concretos para a mudança num futuro próximo, ao contrário do campeonato mundial de RX da FIA, que originalmente planejava ser totalmente elétrico para 2020, antes de adiar o projeto para 2021.

Ogier acredita que o WRC deve se adaptar para se manter relevante, incluindo o atual formato, que ele acredita ser muito longo para manter o interesse, além de abordar as regras sobre os pilotos convidados, que ele acredita terem uma vantagem injusta.

“Tivemos uma ótima temporada, mas a disciplina precisa evoluir”, disse ele ao Le Figaro, da França. “Pode ser necessário compactar o formato atual. Três dias é muito longo para manter com sucesso a atenção do público. Seria melhor ter dois dias intensos com pelo menos 300 km para preservar a noção de resistência”.

“Há também o eterno debate sobre as ordens de largada, o fato de darmos tantas vantagens aos pilotos convidados é realmente prejudicial. As regras do WRC são feitas de tal forma que os ‘convidados’ tenham uma grande vantagem, graças a uma posição de largada tardia, e às vezes é um pouco frustrante”.

“Não devemos apresentar resultados artificiais ao público e criar falsas competições. Mas esse assunto é espinhoso”.

Uma mudança que Ogier sente ser necessária, mas que pode perturbar os fãs de rali, é a eletrificação.

“O WRC também deve olhar para a eletricidade. Devemos nos mover, e rapidamente, tomar essa mudança que outras categorias tomaram”.

“Não é fácil de configurar, mas existem soluções, e hoje é a melhor maneira de atrair novos fabricantes, atendendo às necessidades da sociedade atual”, concluiu.