Di Grassi é o campeão do GP de Macau

Roberto Moreno (1982), Ayrton Senna (1983), Maurício Gugelmin (1985) e Lucas Di Grassi (2005). Estes são os nomes dos quatro brasileiros que conquistaram o prestigioso Grande Prêmio de Macau de Fórmula 3, uma espécie de campeonato mundial da categoria que reúne os melhores pilotos e equipes de todo o planeta. A vitória de Lucas Di Grassi, um paulista de 21 anos cuja carreira é patrocinada pela equipe Renault de Fórmula 1, aconteceu na madrugada deste domingo no Circuito da Guia – em uma pista de rua que há mais de meio século é sede da tradicional corrida realizada no ex-enclave português no litoral da China. A conquista também quebrou um tabu que já durava 20 anos, apesar do bom desempenho de nossos pilotos na F-3 mundial.

O GP de Macau contou com 15 voltas pelos 6,2 quilômetros do circuito. Di Grassi largou em terceiro e assumiu o segundo lugar na segunda volta, passando por fora – em uma manobra bastante arriscada – o polonês Robert Kubica na curva Lisboa. Esse foi, no entanto, apenas o primeiro lance dramático protagonizado pelos dois pilotos, que se engalfinhariam do início ao fim da prova.

Na sexta volta, o pole position e líder Loïc Duval recebeu ordem da direção de prova para realizar um drive-through (passagem obrigatória pelos boxes) como punição por ter queimado a largada. Com isso, Di Grassi passou a liderar mas perdeu a ponta na nona volta para o veloz Kubica (atual campeão do torneio World Series), que pegou um bom vácuo na reta e fez a manobra de ultrapassagem pelo lado de dentro da mesma curva Lisboa.

Piloto experiente e com renome internacional, Kubica, que veio a Macau para uma nova tentativa de realizar o sonho da vitória neste GP apesar de já competir em uma categoria superior, foi continuamente acossado por Lucas até o momento decisivo da corrida. Um acidente envolvendo os britânicos Danny Watts, Charlie Kimball e Dan Clarke na curva Faraway deixou os carros em posição perigosa, obrigando a entrada do safety car.

“Eu sabia que havia chegado a hora do tudo ou nada”, conta Di Grassi. O safety car saiu da pista só no início da 14ª volta e Lucas aproveitou a oportunidade da relargada para surpreender Kubica na entrada da curva Mandarim. “Minha estratégia deu certo”, lembra o brasileiro, referindo-se ao acerto que fez em seu Dallara/Mercedes, visando justamente otimizar o torque para atacar quem estive à frente e ganhar posições.

“Aqui em Macau sempre há várias batidas e decidi ter um carro com boa retomada justamente por isso. O Kubica tinha um carro mais rápido que o meu em velocidade final, mas, embora isso o tenha ajudado na ultrapassagem que me fez na nona volta, na hora H eu soube aproveitar a minha opção de acerto”. Di Grassi liderou até o final, mas sempre com Kubica desesperadamente tentando o bote final. Na linha de chegada, apenas 0s6 separavam os dois líderes.

Esta foi a segunda participação de Lucas em Macau. No ano passado, apesar de ser ainda um estreante no mais difícil circuito do mundo, ele largou em oitavo e chegou ao pódio, em terceiro. Sua equipe em 2005 (no ano passado ele competiu pela Hitech Racing) foi a inglesa Manor Motorsport, que obteve a primeira vitória entre as melhores equipes de F-3 do mundo, após sete tentativas.

O GP de Macau encerrou a temporada 2005 de Lucas Di Grassi – e, provavelmente, sua atuação na Fórmula 3 Internacional. “Acho que estou pronto para uma categoria mais próxima da Fórmula 1”, comentou o novo campeão de Macau, que este ano testou o carro do campeão mundial de F-1 Fernando Alonso para a equipe Renault. “Agora, vou aguardar a decisão da Renault sobre meu futuro. Espero continuar no RDD (Renault Driver Development Program, o programa de apoio a jovens talentos) pois, como pudemos ver em 2005, usar as cores da Renault tem dado muita sorte…”

Entre os demais brasileiros que participaram, João Paulo Oliveira terminou em quarto, Fábio Carbone foi o 12º e Bruno Senna (sobrinho do tricampeão Ayrton Senna) abandonou já na segunda volta.

Resultado do 52º Grande Prêmio de Macau de F-3:

1) Lucas Di Grassi (Brasil), Dallara/Mercedes, 15 voltas em 40min49s730

2) Robert Kubica (Polônia), Dallara/Honda, a 0s659

3) Sebastian Vettel (Alemanha), Dallara/Mercedes, a 3s924

4) Joao Paulo Oliveira (Brasil), Dallara/Toyota, a 7s003

5) Kazuki Nakajima (Japão), Dallara/Toyota, a 8s619

6) Loic Duval (França), Dallara/Mercedes, a 8s705

7) Christian Bakkerud (Dinamarca), Dallara/Honda, a 11s185

8) Paolo Montin (Itália), Dallara/Honda, a 12s490

9) Romain Grosjean (França),Dallara/Opel, a 13s007

12) Fabio Carbone (Brasil), SLC/Opel, a 16s445

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *