Rossi pede que a Yamaha fique “agressiva” com a eletrônica

A Yamaha precisa adotar uma abordagem mais “agressiva” com sua eletrônica em uma tentativa de alcançar os rivais da MotoGP, Honda e Ducati, diz Valentino Rossi.

O sete vezes campeão da categoria rainha, Rossi identificou a eletrônica como uma fraqueza da Yamaha 2018 nos testes de pré-temporada, dizendo que esta é a causa dos problemas de tração traseira da M1.

O Grande Prémio da República Checa no último fim de semana foi mais uma demonstração disso, pois Rossi largou em segundo e liderou três voltas no meio da corrida antes de cair para quarto, incapaz de acompanhar o ritmo dos três primeiros, Andrea Dovizioso, Jorge Lorenzo e Marc Marquez, nas últimas voltas.

Embora a MotoGP tenha introduzido o controle eletrônico em 2016, eliminando o software personalizado dos fabricantes, Rossi disse que os rivais da Yamaha conseguiram fazer com que os seus sistemas se comportassem mais como os antigos electrónicos abertos, uma área onde a sua equipa está atrasada.

“A Yamaha cometeu um erro ao se aproximar da unidade eletrônica de especificação”, disse o italiano em Brno.

“Ela foi projetado para reduzir a distância entre as motos das equipes principais e as motos das equipes satélites, então tivemos corridas mais competitivas. A Yamaha acreditava nisso”.

“No entanto, os outros encontraram uma maneira de fazê-lo funcionar como a eletrônica personalizada”.

“A Honda e a Ducati têm uma abordagem mais agressiva, enquanto a Yamaha está um pouco mais calma e, neste ponto, temos de tentar incentivá-la”.

A MotoGP anunciou no mês passado que as regras que envolvem a eletrônica devem ser reforçadas com a introdução de uma Unidade de Medição Inercial de controle (UMI), nivelando ainda mais a competição.

No entanto, o líder do projeto da Yamaha, Kouji Tsuya, disse duvidar que a proibição da unidade personalizada da UMI permitirá que a marca Iwata aumente sua competitividade em 2019.

Tsuya disse: “A situação será igual para todos, e nós não esperamos que a especificação UMI possa ajudar a situação da eletrônica.

“Nossa UMI atual é melhor do que a UMI unificada do próximo ano. Talvez pelo menos possamos manter o desempenho atual, mas não achamos que isso possa nos ajudar.”

20 corridas sem vitórias

O GP checo foi a 20ª corrida consecutiva em que a Yamaha não conseguiu ganhar, marcando o seu período mais longo na categoria rainha desde que passou 22 corridas sem uma vitória entre o GP da Austrália de 1996 (ganho por Loris Capirossi) e o GP de Inglaterra de 1998 ( ganhou por Simon Crafar).

Rossi admitiu que o fato de sentir que está pessoalmente forte e em forma, torna a atual falta de competitividade de seu equipamento ainda mais frustrante.

“É uma pena estar em boa forma e ter uma moto um pouco atrás das outras, caso contrário, teríamos tudo o que é necessário para vencer”, disse ele, depois de terminar em quarto no Brno.

“Infelizmente esta é a situação e tem sido assim há tanto tempo, porque foram 20 corridas sem uma vitória. Eu estou fazendo o máximo, mas não é o suficiente”, finalizou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *