Dovizioso considera segundo lugar em Aragon mais importante que vitória em Misano

Andrea Dovizioso diz que o seu segundo lugar no Grande Prémio de Aragon, foi mais importante, já que “confirma” a melhoria da Ducati.

A etapa de Aragon provou ser um dos pontos mais baixos de Dovizioso em seu campeonato de 2017, enquanto lutava pelo sétimo lugar, 7,4 segundos atrás do vencedor da corrida, Marc Marquez.

Dovizioso liderou grande parte das 23 voltas da corrida de Aragon deste ano, e só perdeu a vitória por 0,648s para Marquez, após uma intensa batalha com o piloto da Honda.

Tanto Misano como Aragon foram pistas difíceis para ele e para a Ducati antes deste ano, Dovizioso acredita que o resultado deste último é “mais importante para o futuro”, e expressou a sua confiança em ser competitivo na “pior pista” para a Ducati, em Phillip Island, Austrália, no próximo mês.

“Phillip Island com certeza, é a pior pista para a nossa moto e será um fim de semana interessante”, disse ele.

“Acho que podemos ser muito competitivos lá este ano, não acho que será como em algumas outras pistas”.

“Mas o que aconteceu neste fim de semana foi muito, muito importante, mais do que Misano”.

“Em Misano foi muito importante, mas aqui ainda mais, porque isto confirma a nossa melhoria, e esta melhoria é a realidade, mas é ainda melhor para o futuro.”

Dovizioso relutou em destacar que áreas da Ducati melhoraram para a corrida de Aragon, mas sentiu que a batalha com Marquez permitiu-lhe, “entender muitas coisas”.

“Isso é sobre os nossos detalhes, este não é o lugar para falar sobre esses detalhes”, acrescentou.

“Mas quando você luta a corrida toda, como foi nesta corrida com Marc, você é capaz de entender, analisar muitas coisas que normalmente você só pode ver na TV”.

“Mas quando você está lá, você pode entender onde ele estava melhor, pior, o quanto ele usa pneus, eletrônica, muitas coisas”.

“É sempre sobre aprender alguma coisa, e pequenas coisas são suficientes para chamar a atenção.”

A vitória de Márquez em Aragón colocou-lhe 72 pontos à frente de Dovizioso na classificação, que o italiano diz ser agora uma lacuna “impossível” para fechar.

“Tirar 72 pontos em cinco corridas de Marc, é impossível. A única maneira é se ele não correr, e mesmo assim é difícil marcar 72 pontos”.

“Então, se queremos ser realistas, não. Na corrida tudo pode acontecer, então está aberto porque matematicamente está aberto. Mas esta é a situação”, concluiu Dovizioso.