Wickens divulga declaração para esclarecer seu nível de lesões

Robert Wickens divulgou um comunicado esclarecendo a natureza de suas lesões e possível prognóstico de seu futuro.

Wickens sofreu ferimentos graves em um acidente durante a corrida da Indy em agosto, em Pocono.

Robert lançou recentemente um vídeo dele, demonstrando passar de uma cama para uma cadeira de rodas, mencionando no texto que o acompanha, que ele está atualmente, paraplégico.

O piloto canadense queria deixar claro que isso não era um anúncio de si mesmo sobre o nível de lesão, então, desde então, tomou tempo para entrar em detalhes sobre sua condição atual.

“Não houve nenhum ‘anúncio’ para confirmar que eu estava paralisado, fiquei paralisado no momento em que acertei o poste da cerca em Pocono”, disse Wickens.

“Fomos muito claros que eu tive uma lesão na medula espinhal, no comunicado de imprensa emitido pela SPM (Schmidt Peterson Motorsports), mas eu acho que as pessoas não estavam cientes do que isso significa e estão apenas especulando”.

“Paralisado e paraplégico são níveis de lesões na metade inferior. Estou paralisado do peito para baixo, o nível da minha lesão é T4”.

“As pessoas podem não ficar paraplégicas para sempre. Desde que minha lesão medular foi ‘incompleta’ os nervos podem ser capazes de encontrar um caminho de volta para minhas pernas. Incompleta significa que a medula espinhal não foi cortada, foi apenas contundida. Em meses o inchaço vai descer e vamos aprender mais sobre o quanto acontece a regeneração dos nervos.”

Wickens explicou que ele tem “alguns movimentos” em suas pernas, mas comentou que ele enfrenta um longo período de recuperação.

“Os médicos disseram-nos que cada lesão medular é diferente, duas pessoas com a mesma lesão podem curar de forma diferente”, acrescentou Wickens. “Um pode andar de novo e um não pode, cada corpo cura de maneira diferente”.

“Então, não podemos lhe dar uma resposta definitiva se eu voltar a andar, mas tenho intenções totais de fazer exatamente isso!”

“A boa notícia é que eu tenho mais sensibilidade e movimento nas minhas pernas, então há esperança nos próximos 24 meses de que eu possa recuperar o movimento suficiente para andar de novo!”

“Até agora os sinais são promissores, mas não estou tentando ficar à frente! Estou apenas mantendo a cabeça baixa e trabalhando até que meu terapeuta e os médicos me digam para parar”.

“Obrigado a todos pelo seu apoio e espero que isso tenha trazido clareza sobre tudo isso”, concluiu Wickens.