Honda deixa porta aberta para apoiar programa “Road to Indy”

O presidente da Honda Performance Development, Art St.Cyr, deixou a porta aberta para a fabricante japonesa, possivelmente se envolver com o programa de desenvolvimento ‘Road to Indy’.

A Mazda anunciou no final de julho, que não mais patrocinará o programa ‘Road to Indy’, tendo iniciado sua parceria em 2011, deixando a série sem nenhum patrocinador notável. O fornecimento de motores entre os três níveis permanecerá para a temporada de 2019, mas além disso é incerto.

O “Road to Indy” tornou-se parte vital no caminho para os pilotos que procuram chegar ao topo da IndyCar Series. Alguns pilotos que passaram pelo programa, incluem o campeão da Indy, Josef Newgarden, Zach Veach, Sage Karem, Ed Jones, Spencer Pigot e incontáveis outros.

Quando perguntado se a Honda estaria interessada em se envolver com o programa ‘Road to Indy’, St.Cyr comentou: “Eu acho que é uma excelente pergunta. É uma pergunta muito óbvia”.

“Uma das razões pelas quais estamos na Fórmula 4 e na Fórmula 3, é uma coisa muito estratégica, tentar ajudar a desenvolver mais pilotos norte-americanos para a série. A Honda Performance Development é responsável pelas corridas norte-americanas”.

“Eu não quero fazer isso soar negativo, mas muitas das estrelas da série, não estarão aqui dentro de algum tempo, não estarão por perto para sempre, Scott Dixon, Tony Kanaan, Will Power, esses caras. Nós perdemos recentemente, não vou dizer perder, mas uma das maiores estrelas mudou-se para o nosso programa de protótipos: Helio Castroneves, também Juan Montoya, esse tipo de coisa”.

“Precisamos para a alma do nosso esporte, Indy é uma série norte-americana, acho que é bom ter pilotos norte-americanos nesta série. Estrategicamente ter mais opções para os pilotos de nível júnior desenvolver suas habilidades, trazê-los para uma carreira na IndyCar, realmente é do nosso interesse”.

“Com isso dito, a inclusão no Road to Indy faz sentido? Ainda não tenho certeza. Não é realmente uma decisão minha. Obviamente, haverá discussões com a IndyCar e a HPD para ver se há uma maneira de desenvolver sinergias para isso”.

“Basicamente, tenho que ter em mente que o objetivo final é ter, eu não quero dizer estoque, mas um fluxo contínuo de pilotos qualificados, com energia, carismáticos e que estejam disponíveis para perpetuar a IndyCar Series por muito tempo no futuro”.

“É por isso que fazemos. Se faz sentido ter um pouco mais de cooperação, então devemos fazê-lo, com certeza”.

St.Cyr, foi então informado, que 25 dos 33 pilotos que iniciaram a Indy500 – 2018, foram graduados no programa ‘Road to Indy’, e em seguida, foi perguntado se esses números poderiam motivar ainda mais a Honda a olhar para um possível acordo para apoiar o programa.

“Estou medindo um pouco as minhas palavras porque a Honda é uma empresa única”, acrescentou.

“Temos corridas em todos os níveis. Vamos dos karts até a Fórmula 1. Não é necessariamente que queremos nos concentrar apenas em um caminho específico”.

“Temos carros esportivos, temos a Fórmula 1, que é uma série global, que está fora do Japão e que agora não tem muitos pilotos norte-americanos, pelo menos pilotos americanos, na série agora.”

“Nós também queremos ser capazes de ajudar a reforçar esse esporte. Eu acho que é muito encorajador termos um sistema em que os pilotos possam ir dos karts até a IndyCar. Eu não estava ciente dos números. 25 de 33, isso é realmente muito bom”.

“Precisamos ter um sistema implantado na América do Norte, para ajudar a desenvolver esses pilotos que podem vir de aspirantes de oito anos até a IndyCar”.

“Eu absolutamente apoio isso. Como eu disse, acho que estrategicamente temos que olhar, se faz sentido ter uma cooperação mais estreita ou não. Eu não sei a resposta para isso agora”, concluiu.