Transferência de dados gera discussão entre equipes da F-E

Uma proposta de proibição do bloqueio de transferências de dados do circuito para a base das equipes, durante os eventos do campeonato da Fórmula E, foi bloqueada após a votação não ter conseguido uma conclusão unânime.

O Artigo 27.10 dos regulamentos esportivos de 2018-1919, agora deve ser removido, com certas equipes pressionando para implementar um procedimento do Código Esportivo Internacional da FIA, que dita medidas específicas para emendar ou aumentar os regulamentos existentes.

Algumas equipes se referiram ao artigo 19.2.3.a da ISC, que determina que: “as mudanças nas regras esportivas e em todas as regulamentações, além daquelas mencionadas acima, são publicadas pelo menos 20 dias antes da data de abertura dos requerimentos de Inscrição para o ISC. Campeonato, taça, troféu, desafio ou categoria em questão, mas nunca depois do dia 15 de dezembro de cada ano.”

Quaisquer alterações feitas com mais de 20 dias antes da data de entrada no pedido, continuam válidas porque as equipes entraram no campeonato de acordo com essas regulamentações, mas quaisquer alterações propostas depois disso, exigem um acordo unânime de todas as equipes.

“Todo o processo realmente se tornou bastante político”, disse uma figura sênior de um fabricante da Fórmula E, ao e-racing365.

“Até agora, a FIA vem mudando os regulamentos esportivos e outros, quando acharam que isso melhoraria o campeonato”.

“Agora, alguns fabricantes os obrigaram a fazer isso de acordo com o ISC.”

Diversas outras figuras-chave da Fórmula E, expressaram a sua frustração pela maneira como as discussões ocorreram na semana passada.

Muitos não concordam com a tentativa da FIA, de pressionar a cláusula de transferência de dados tão perto do início da temporada, com o primeiro ePrix, a menos de duas semanas para acontecer.

Uma das principais questões em torno do tópico, está centrada em como a tecnologia Wi-Fi ou Bluetooth, pode ser policiada com precisão para transferência de dados entre as pistas e as bases das equipes.

“Está acontecendo devagar, mas está acontecendo. Há algumas pessoas na Fórmula E sem experiência em lidar com grandes fabricantes, e isso está começando a aparecer com muita franqueza”.

A Fórmula E, teve a capacidade de ser flexível e fazer mudanças para melhorar a categoria nascente nas últimas temporadas, em grande parte por causa de seus esforços para proteger a estrutura do campeonato em questões esportivas e de gerenciamento de custos.

A proposta de expansão da votação do Fanboost, para incluir cinco pilotos por corrida, também foi votada pelas equipes e recebeu apoio unânime.

Espera-se que isso seja ratificado no Conselho Mundial de Automobilismo na quarta-feira, e redigido nos regulamentos esportivos pouco tempo depois.

 

Veja alguns vídeos do nosso Canal no Youtube. Confira:

Victor Berto visita a “Dream Racing” em Las Vegas e pilota uma Maserati GranTurismo Sport e uma Ferrari F430 Scuderia no “Las Vegas Motor Speedway”, que recebe etapas da NASCAR em seu oval. Confira o vídeo:

GEN2 – As peças e componentes da SEGUNDA GERAÇÃO de carros da FÓRMULA E:

Victor Berto, direto de Las Vegas, te leva para um passeio a bordo da LAMBORGHINI HURACAN LP610-4, uma MERCEDES AMG GTS V8 e uma MCLAREN 570S, 250 km/h em Lake Mead. Confira o vídeo: