Marcações nos pneus podem ajudar na visibilidade dos pilotos

Várias equipes de Fórmula E têm usado marcações específicas na lateral interna de seus pneus dianteiros em corridas recentes, o que leva à especulação de que elas estão ajudando a percepção ótica dos pilotos durante as frenagens.

Acredita-se que as marcas tenham aparecido pela primeira vez no ePrix de Hong Kong em março, e aparentemente foram usadas por várias equipes.

O carro Nissan e.dams de Sebastien Buemi, correu com um amarelo de bom tamanho, encaixado no interior das paredes laterais dianteiras, no ePrix de Roma.

Diversas teorias têm sido especuladas sobre por que elas apareceram, inclusive que elas fornecem uma ajuda ótica para os pilotos verem a rotação e o travamento dos pneus.

Os carros Gen 2 incorporam uma parte de carroceria frontal semi-abrangente, que oferece aos pilotos uma visão mais reduzida em comparação aos carros Gen 1.

Embora não seja obrigatório, as equipes podem medir a temperatura ou a pressão do pneu, desde que possam, de acordo com os regulamentos, “instalar os sensores sem modificar as peças homologadas”.

Os regulamentos técnicos declaram: ‘Se estes sensores forem usados, deve haver pelo menos uma luz de aviso para notificar o piloto sobre uma possível falha. Se instalados, os dados devem ser enviados para o logger da FIA pelo CAN (Controller Area Network)’.

Um porta-voz da Michelin afirmou que, de sua parte, as marcações eram usadas simplesmente para que “cada piloto não tivesse o direito de usar os pneus de seu companheiro de equipe (cada pneu contém um chip). Então, para ele, os pontos amarelos são apenas para reconhecê-los”.

Acredita-se que a Audi e a Jaguar também tenham usado marcas semelhantes, para ajudar os pilotos com a identidade visual dos pneus nas últimas corridas.

Teoricamente, sensores óticos de velocidade rotacional adicionais, poderiam contribuir para uma forma bruta de controle de tração.

Isto, entretanto, significaria que um sensor de velocidade rotacional ótico, teria que ser colocado no nariz do carro, voltado para o interior do pneu para medir a velocidade da roda.

No entanto, de acordo com o Artigo 6.2 do Regulamento Técnico atual, “o uso do controle de tração é proibido” e “qualquer sensor de velocidade no veículo é proibido” (velocidade da roda, radar, GPS, pitot, etc.).

Se os sensores pudessem ser usados livremente, então a realimentação do sensor poderia ser usada para otimizar a regeneração do carro, novamente como uma função do delta de velocidade entre a traseira e a frente.

Entender a velocidade e movimento das rodas dianteiras, pode ter uma infinidade de vantagens quando se trata de otimizar a dinâmica dos carros.

A Nissan não respondeu às solicitações para comentar as marcações específicas vistas em Roma.

 

 

Confira os últimos vídeos do canal da F1MANIA no YouTube – Resumão do fim de semana do GP 1000 de Fórmula 1:

 

ePRIX DE ROMA | Melhores Momentos | FÓRMULA E 2018/19 – 7ª etapa

 

ePRIX DE ROMA – Lucas di Grassi fala sobre sua corrida e os bons pontos somados no Mundial

 

‘GAME OF ROMES’ – Fórmula E lança vídeo baseado na série de sucesso GAME OF THRONES

 

Fórmula 1 anuncia o Brasil como uma das sedes do “F1 Festival” em 2019

 

FÉRIAS F1MANIA | Pilotamos uma FERRARI 488 GTB no SPEEDVEGAS: