IN LOCO: Ian James, chefe da equipe Mercedes na Fórmula E, fala sobre a chegada da montadora à categoria

O diretor da equipe Mercedes EQ Formula E, Ian James, conversou nesta sexta-feira em Nova York, cidade que sedia a rodada dupla final da temporada 2018/2019 da categoria de monopostos 100% elétricos, com um grupo seletos de jornalistas sobre a preparação para a estreia oficial da marca alemã.

James contou que seis sessões de testes preparatórios já foram realizadas e que ambos os pilotos da HWA Racelab, equipe parceira e que será substituída pela Mercedes na próxima temporada, foram responsáveis até agora por essa preparação.

“Gary Paffett e Stoffel Vandoorne já testaram o carro e outros pilotos vão aparecer nas próximas semanas nos próximos testes que a equipe tem direito de fazer antes do início da próxima temporada”, disse James.

A Mercedes chega a Fórmula E oficialmente em novembro, então com ainda cerca de quatro meses pela frente, a equipe alemã não anunciou nenhum piloto da sua dupla.

“Há uma ‘shortlist’ dos pilotos mais cotados para pilotarem pela equipe, apesar de escolha mais óbvia seja dupla da HWA Racelab, que já está correndo e adquirindo dados pela Mercedes”, revelou o dirigente.

Quando questionado se há algum brasileiro em sua ‘shortlist’ de pilotos, Ian James sorriu e brincou dizendo que precisaria voltar para casa e chegar sua lista para ver se há.

A montadora alemã vem dominando a Fórmula 1 há alguns anos e na F-E deve enfrentar forte concorrência de muitas montadoras, mas mais precisamente de quatro alemãs.

“Estou ansioso pela competição, pois, posso estar enganado, mas é a primeira vez que as quatro marcas premium da Alemanha (Mercedes, Audi, BMW e Porsche) disputarão o campeonato”, comentou Ian James.

Além da Mercedes, outra montadora que estreia na próxima temporada é a sua compatriota Porsche. Ian fez uma comparação da abordagem que as duas montadoras estão tendo na categoria.

“Nossa abordagem é diferente da Porsche, que começa sua jornada do zero. Nós temos a nossa parceira HWA Racelab, que já está aprendendo e nos ajudando no nosso desenvolvimento para estrearmos oficialmente na próxima temporada”, analisou.

Ian James concluiu a conversa falando sobre os motivos que levaram a Mercedes a tomar a decisão de entrar na F-E: “A Mercedes vê a Fórmula E com dois olhares: técnico e marketing. Técnico porque contribui para o desenvolvimento dos carros de rua e marketing porque a categoria também tem este papel de mostrar ao mundo as marcas que estão trabalhando para o futuro. A marca alemã tem como objetivo até 2040 ter carbono zero em toda a sua linha de carros, portanto, é extremamente importante o laboratório de desenvolvimento da Fórmula E”.

“O investimento da Mercedes na Fórmula E é visando longo prazo”, encerrou.

A F1Mania/LANCE! acompanha ‘in loco’ o ePrix de Nova York, rodada dupla que encerra a quinta temporada da F-E.