Gill afirmou que estratégia de corrida foi conservadora com Wehrlein

O chefe da equipe Mahindra Racing, Dilbagh Gill, afirmou que uma estratégia de corrida sem riscos para Pascal Wehrlein, foi planejada na noite anterior, antes dele terminar em segundo lugar no ePrix de Santiago.

A etapa chilena foi efetivamente a primeira corrida completa de Wehrlein no campeonato da Fórmula E, após ter sido eliminado na primeira curva em Marrakesh.

Ele foi contratado pela Mahindra em setembro, mas as questões contratuais adiaram sua estréia até a segunda corrida em Marrakesh, com Felix Rosenqvist sendo convocado para a abertura da temporada em Ad Diriyah.

“Ele ganhou muita experiência e alguns pontos importantes, estamos muito felizes”.

“Nós fomos bastante conservadores na estratégia da corrida, e eu entrei no rádio e disse: ‘Vamos ficar com o segundo’.”

“Estávamos perto do limite com a bateria, mas sabíamos que outra meia volta de pressão poderia realmente nos levar a uma vitória, então foi muito difícil!”

Gill também disse que a velocidade com que Wehrlein se adaptou à Fórmula E, foi uma surpresa agradável.

“Nós sabíamos que obteríamos alguns resultados decentes dele, mas não tínhamos certeza de que ele seria tão fenomenal assim tão rápido”, disse Gill.

“Ele foi o mais rápido na qualificação de grupos e terminou em segundo na sua primeira corrida real. Isso é muita coisa, de fato ”.

Wehrlein pode “intimidar” o carro Gen 2

Gill disse que o estilo “sem medo” de pilotar e o estilo agressivo de Wehrlein, vai pagar dividendos na Fórmula E, apesar da abordagem conservadora adotada no ePrix de Santiago.

Wehrlein empolgou os espectadores no Treino Livre 1 em Santiago, com sua pilotagem assertiva na pista traiçoeira e empoeirada.

“Eu vejo Pascal um pouco no molde de Felix também, porque eu acho que você precisa ‘intimidar’ o carro um pouco e ele realmente pode fazer”.

“Ele não tem medo de maltratar um pouco o carro que, como vimos com caras como Jean-Eric Vergne e Sam Bird, você precisa fazer um pouco”, concluiu Gill.