Extreme E revela área danificada da Amazônia, no Brasil, onde acontecerá etapa da categoria

A Extreme E, a pioneira série de corridas elétricas off-road, revelou hoje que uma região danificada no estado brasileiro do Pará será o palco na selva amazônica quando comece a primeira temporada em 2021.

Falando desde um local próximo a Santarém, região onde a corrida ocorrerá, Alejandro Agag, fundador e CEO da Extreme E, disse: “Estou muito satisfeito por virmos à Amazônia na primeira temporada”.

“O Extreme E tem como objetivo usar sua posição de esporte privilegiado mundialmente como uma ferramenta para destacar os problemas que nosso planeta e seus ecossistemas enfrentam, e há poucos lugares mais relevantes nesse sentido, como a Amazônia.

“Diversos problemas afetam a saúde desta floresta tropical a longo prazo, sendo o desmatamento e os incêndios florestais entre os mais atuais e urgentes no momento. Na verdade, eu estava neste preciso local há apenas um mês, onde vimos florestas virgens, que agora foram dizimadas pelo fogo, o que pessoalmente me impactou bastante na situação da região amazônica”.

“Nossa corrida ocorrerá na região de Santarém, no estado do Pará, que já foi desmatada e severamente afetada por incêndios e nosso objetivo será fornecer apoio, não apenas a bombeiros profissionais dedicados, mas também a residentes locais, sem veículos off-road, equipamentos especializados e treinamento, na tentativa de controlar a situação e proteger suas terras.

“Com o apoio de especialistas independentes que conhecem a Amazônia e suas pressões de dentro para fora, levaremos um esporte com propósito para a Amazônia; conscientizar e deixar um legado positivo que apoie os esforços contínuos de proteção ambiental na região”.

“Na Amazônia, esses esforços incluirão plantio e proteção de uma área do mesmo tamanho daquela onde a corrida ocorrerá, todos os anos do campeonato. Extreme E também apoiará bombeiros voluntários que trabalham na região para garantir que eles tenham o treinamento e o equipamento necessários para continuar com segurança e eficácia no incrível trabalho que já estão realizando. Também planejamos abrir um sistema mundial, convidar os fãs do automobilismo a contribuir com esforços adicionais de replantio e apoiar o nosso legado”.

Primeiro do gênero no mundo do automobilismo, Extreme E verá seus SUVs elétricos competindo em ambientes remotos que já foram danificados ou afetados por problemas climáticos e ambientais. Esta viagem global de cinco corridas busca destacar o impacto das mudanças climáticas e da interferência humana e promover a adoção de veículos elétricos para ajudar a proteger o planeta.

A floresta amazônica é o segundo local confirmado, após o recente anúncio de que a Groenlândia sediará a etapa ártica do campeonato. Outros três locais estão sendo explorados: no Himalaia, no deserto e na costa oceânica, onde os problemas ambientais incluem desmatamento, elevação do nível do mar, derretimento de geleiras, desertificação e poluição plástica.

As corridas terão uma duração de três dias, em uma área não superior a 10 km2. Os projetistas das pistas receberam a tarefa de selecionar cuidadosamente as opções de pista para oferecer o maior desafio e espetáculo do esporte a motor, sem gerar um impacto negativo do ponto de vista ambiental ou social. As rotas serão projetadas para incorporar obstáculos e recursos existentes com mudanças de elevação e saltos, sem a necessidade de adaptar o ambiente.

Além de aproveitar o esporte para destacar problemas climáticos nas cinco locações, Extreme E trabalhará em conjunto com especialistas locais em cada região para implementar um legado de iniciativas positivas de acordo com as necessidades locais.

A restauração de um ecossistema como a Amazônia é um processo complexo e de longo prazo. Os especialistas locais ajudarão a garantir que avaliações ambientais, sociais e de governo sejam realizadas para contribuir com a restauração completa das funções da floresta e da sua biodiversidade.

Francisco Oliveira é um brasileiro, especialista em conservação com mais de 20 anos de experiência trabalhando em questões relacionadas à Amazônia. Depois de atuar como diretor de políticas de combate ao desmatamento no Ministério do Meio Ambiente do Brasil (2012-2015), concluiu recentemente um doutorado em conservação da Amazônia no Departamento de Geografia da Universidade de Cambridge.

Francisco comenta: “A perda de florestas tropicais apresenta um dos maiores desafios globais do nosso tempo e o Brasil está no centro desse desafio. Os problemas enfrentados pela Amazônia estão bem documentados e agora é a hora de focar em soluções que possam equilibrar a conservação da floresta e o desenvolvimento sustentável na região”.

“Fiquei intrigado quando ouvi pela primeira vez os planos da Extreme E de usar o esporte como veículo de ação climática na Amazônia. Este século precisa se tornar a geração para a restauração de ecossistemas, e acredito que essa série de carreiras elétricas oferece uma maneira inovadora de conscientizar os novos públicos e inspirar ações positivas para a proteção e a saúde futura da Amazônia e do planeta”.

“Estou ansioso para apoiar os organizadores do Extreme E, e darei conselhos para garantir que os objetivos de conservação sejam apoiados com responsabilidade e eficácia.”

Carlos Souza é pesquisador associado sênior do Imazon, a instituição brasileira de pesquisa sem fins lucrativos que monitora mudanças na floresta e promove o desenvolvimento sustentável na Amazônia por meio de estudos científicos.

Carlos comenta: “Uma pesquisa recente mostrou que 96% das pessoas no Brasil realmente querem que o governo faça algo sobre a crise na Amazônia. Os brasileiros se preocupam com o meio ambiente, mas ainda precisamos de mais atenção internacional no problema, para que juntos possamos encontrar as soluções certas”.

“O campeonato de corrida elétrica Extreme E oferece uma oportunidade extraordinária para o mundo aprender mais sobre esse paraíso natural aqui em Santarém e sobre a cultura única do Pará, além de apoiar soluções locais de conservação aqui na Amazônia. Esperamos trabalhar com Alejandro e sua equipe para apoiar esta importante iniciativa”.

O Extreme E tornou-se recentemente um signatário comprometido na rede de Esporte para a Mudança Climáticas das Nações Unidas, que insta as organizações esportivas a reconhecerem a contribuição do setor esportivo para as mudanças climáticas e sua responsabilidade de incorporar a sustentabilidade em todos os aspectos de suas operações e mensagens.

Além disso, os organizadores da corrida estão desenvolvendo planos para rastrear e monitorar as emissões de água, detritos e equipamentos em cada local da corrida, e incentivos esportivos e financeiros estão sendo considerados para aqueles que obtiverem os menores resultados gerais.

A primeira temporada começará em fevereiro de 2021, com quatro equipes já confirmadas para participar, incluindo Venturi, ABT Sportsline, HWA AG e Veloce Racing. x’x’Nos próximos meses serão anunciadas outras equipes, locações e pilotos.
Receba as notícias da F1Mania pelo WhatsApp: https://chat.whatsapp.com/KUVbJ5O2AJpLLNcrZygtzy

 

Inscreva-se em nosso canal no YouTube: https://www.youtube.com/user/f1mania?sub_confirmation=1

 

Confira os últimos vídeos do canal da F1MANIA no YouTube – AUDI apresenta o E-TRON FE06 para a temporada 2019/20 da FÓRMULA E:

 

O que um piloto de Fórmula E faz durante as férias?

 

PORSCHE CUP BRASIL | ETAPA ESTORIL 2019 | MELHORES MOMENTOS:

 

Fórmula E: Como pilotos e equipes se comunicam:

 

FÉRIAS F1MANIA | Pilotamos uma FERRARI 488 GTB no SPEEDVEGAS: