Verstappen: penalidades do motor Honda foram confusas em 2018

O piloto da Red Bull, Max Verstappen, acredita que seria errado interpretar a alta taxa de troca de motores da Honda nesta temporada como baixa confiabilidade.

A dupla da Toro Rosso, Pierre Gasly e Brendon Hartley, usaram mais elementos do motor do que qualquer outro piloto nesta temporada.

A contagem de seis motores de combustão interna de Hartley é o dobro do limite livre de multas para a temporada, enquanto ele também excedeu o número de turbocompressores, MGU-H e MGU-Ks, armazenamento de energia e controle eletrônico permitidos para o ano.

Gasly usou quase o mesmo número que seu companheiro de equipe, mas trocou um a menos, motor de combustão e MGU-K, respectivamente.

A Honda tende a fazer trocas táticas por causa de circunstâncias atenuantes: por exemplo, Hartley recebeu um novo conjunto completo de componentes depois de bater nos treinos na Espanha e na Grã-Bretanha.

Ele também fez várias alterações após a corrida de abertura, depois de um problema conhecido com o MGU-H que já iniciou o ano com este defeito.

A Red Bull está mudando para os motores Honda na próxima temporada, mas Verstappen disse que esse registro neste ano não diz respeito a ele.

“Eu não acho que eles tiveram muitos problemas”, disse ele. “Na maioria das vezes, talvez eles tenham uma qualificação ruim, então não faz muita diferença fazer um novo componente, então é isso que eles estão fazendo”.

“Eu não estou muito preocupado. E eles ainda têm algumas corridas chegando para entender o pacote, e para o próximo ano será um novo motor, é diferente.

“Eles aprendem com seus erros, o que é bom. Está acontecendo em outras marcas, não só na Honda. Então, não estou muito preocupado”.

Verstappen disse que a Red Bull só se beneficiará da disposição da Honda em aplicar penalidades por razões táticas com a Toro Rosso, porque “eles podem testar as coisas e, às vezes, receber uma penalidade extra se estiverem um pouco mais para trás”.

O diretor técnico da Honda F1, Toyoharu Tanabe, disse ao Motorsport.com que ainda está estabelecendo o “limite” entre desempenho e confiabilidade.

Ele também disse que a avaliação dos problemas que surgiram depois que seu motor de F1 foi introduzido no Canadá revelou que não havia nenhum problema fundamental com o motor em si, mas foi modesto diante da perspectiva do próximo upgrade da Honda chegar após as férias de verão em Spa ou Monza.

“Eu não digo o tempo exato para o próximo passo, mas desenvolvemos continuamente nosso desempenho e confiabilidade”, acrescentou. “Temos itens e prioridades e um tempo para completar o cronograma de desenvolvimento”.

“Continuaremos a desenvolvê-lo. Se eles não tiverem problema em trazê-lo, sempre o levaremos”, finalizou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *