Renault adverte “relógio está correndo” sobre regras da F1 em 2021

O chefe da Renault Fórmula 1, Cyril Abiteboul, alertou que o “relógio está correndo” na confirmação dos regulamentos de motor em 2021.

Os planos da FIA e da Liberty de mudar para um formato simplificado de unidade de potência sem MGU-H, anunciado em outubro passado, sofreram um golpe quando os quatro fabricantes existentes decidiram recentemente que preferem manter o hardware atual, com algumas mudanças para melhorar o show.

Eles citaram as razões de custo e o fato de que nenhum novo participante confirmou que participará. As regras de 2021 foram discutidas por meio de uma videoconferência na semana passada, envolvendo os fabricantes, a FIA e a F1.

“O relógio está correndo se quisermos ter um motor completamente diferente para 2021”, disse Abiteboul ao Motorsport.com.

“Certamente as férias de verão deste ano poderiam ser a linha vermelha. Acho que não é segredo que dois dos principais impulsionadores dessa mudança de regulamentação são: a) A possibilidade de um novo concorrente. b) A situação na Red Bull”.

“A Red Bull Racing e a Toro Rosso estavam impulsionando maciçamente a mudança porque estava claro para elas que, independentemente da nossa situação, elas precisavam pensar em sua própria situação”.

“Então, agora que: a) A Red Bull encontrou um novo parceiro na Honda. b) Não parece haver novos participantes, acho que a necessidade de mudança radical na regulamentação do motor diminuiu.”

Abiteboul diz que todos os fabricantes estão alinhados: “Acho que estamos falando de detalhes agora, mas acho que, em geral, concordamos com este objetivo, concordamos que é melhor manter a plataforma existente e concordamos que podemos fazer um trabalho melhor com esta plataforma existente”.

“Em nossa opinião, aceitamos o fato de que precisamos melhorar a unidade de potência por outras razões, principalmente para o show, para a corrida, para as equipes de clientes, para os fabricantes em termos de custo também”.

“Aceitamos todos esses objetivos e, sinceramente, elogiamos isso. O foco é como podemos fazer a mudança na plataforma existente, torná-la melhor, fazer com que ela atinja as metas em que estamos de acordo”.

Abiteboul está convicto de que o MGU-H deve ficar: “Acreditamos que o MGU-H é um bom dispositivo para a F1, que é um esporte em que você deseja estar constantemente em posição de atacar, e se você não tiver o MGU -H então você realmente tem um problema com a sustentabilidade da potência”.

“Seria tolice usar o MGU-H por vários anos e realmente fazer o oposto do que os fabricantes de automóveis farão”.

“Talvez possamos simplificar a maneira como o MGU-H está funcionando, talvez possamos simplificar a forma como o MGU-K está sendo usado, a maneira como a energia é implantada, a maneira como a energia pode contribuir para o show em vez de remover algo da apresentação”.

“Talvez possa haver algum elemento de padronização no modo como a energia é gerida, o que seria bom para a corrida, que diminuiria um pouco a diferença e isso é tipicamente o tipo de coisa que ajudará na aplicabilidade”.

Abiteboul também acredita que algumas mudanças podem ser introduzidas antes de 2021.

“Essas coisas, francamente, podem ser feitas no próximo ano, não precisamos esperar até 2021. Essa é uma das coisas que eu acho que devemos discutir, se concordarmos em melhorias interessantes para 2021, talvez devêssemos imaginar quais dessas melhorias poderiam ser feitas antes disso. ”

O chefe da Haas, Gunther Steiner, diz que sua principal preocupação é que os motores 2021 estejam disponíveis a um custo razoável para os clientes.

“Eu não quero dizer a eles o que fazer, eles sabem o que fazer”, disse Steiner ao Motorsport.com. “O que eu gostaria de ter, é um limite de custo sobre o dinheiro que temos para pagar para o fabricante do motor, definir isso. Então eles podem fazer o que quiserem”.

“Se eles querem fazer um motor de ouro, e nós o pegarmos por preço fixo, sintam-se livre para fazê-lo”.

“Isso é mais porque não temos a especialização envolvida, V6, um turbo ou dois turbos, MGU-H, contanto que tenhamos certeza de que existe uma oferta e o custo do fornecimento é controlado, qualquer que seja o dinheiro que pudermos chegar a um acordo, estamos felizes”.

“Não queremos nos envolver com um, ou dois turbos porque, para mim, não produzimos isso”, finalizou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *