Mega-acordo de Hamilton coloca Kimi, Vettel e Schumacher na sombra

Lewis Hamilton assinou o contrato mais lucrativo da história da Fórmula 1

Superando os mega-acordos, que fizeram de Michael Schumacher, Kimi Raikkonen e Sebastian Vettel, os homens mais ricos do mundo; Hamilton e Mercedes confirmaram uma extensão de dois anos no valor de 170 milhões de dólares.

A cifra astronômica, apurada pela Forbes, mantém o tetracampeão mundial na F1 com a equipe alemã, até o final de 2020. O anúncio formal é esperado durante o fim de semana do GP da Alemanha, na casa de Mercedes, em Hockenheim.

O acordo de Hamilton, no topo da lista dos mega-contratos da F1, supera o contrato de Kimi Raikkonen, que recebeu incríveis 153 milhões de dólares da Ferrari – de 2007 até final de 2009.

Devido à vitória no campeonato mundial, no primeiro ano na Scuderia, o finlandês gerou um bônus que elevou seu valor para a estratosfera. Curiosamente, a cifra conquistada por Kimi – durante os seus primeiros três anos na Ferrari – ainda é maior do que o valor pago à Sebastian Vettel.

Ainda nos anos 80 e 90, Nigel Mansell, Alain Prost, Gerhard Berger e Eddie Irvine foram alguns dos pilotos que se beneficiaram do sucesso da F1. Assim, eles fecharam acordos lucrativos durante as suas respectivas temporadas.

No entanto, foi o grande Ayrton Senna que estabeleceu o ponto de referência e desencadeou a era dos salários de superstar na F1. O brasileiro correu com a McLaren recebendo um milhão de dólares por corrida, em 1993.

Em 1994, Senna assinou um contrato de vários anos, no valor de 20 milhões de dólares por temporada, com a equipe Williams. Tragicamente foi o último ano do brasileiro, vitimado em um acidente durante o GP da Itália, em Imola.

 

Confira os maiores contratos da F1 de todos os tempos:

Lewis Hamilton (Mercedes)  $ 170 milhões – Anual: $ 56,6 milhões – Por corrida: $ 2,83 milhões (2019-2020)
Kimi Raikkonen (Ferrari)  $ 153 milhões – Anual: $ 51 milhões – Por corrida: $ 2,94 milhões (2007-2009)
Sebastian Vettel (Ferrari)  $ 150 milhões – Anual: $ 50 milhões – Por corrida: $ 2,5 milhões (2018-2020)
Lewis Hamilton (Mercedes)  $ 140 milhões – Anual: $ 46,6 milhões – Por corrida: $ 2,3 milhões (2016-2018)
Michael Schumacher (Ferrari) $ 124 milhões – Anual: $ 31 milhões – Por corrida: $ 1,9 milhões (1996-1999)
Fernando Alonso (McLaren)  $ 90 milhões – Anual: $ 30 milhões – Por corrida: $ 1,5 milhões (2017-2019)
Ayrton Senna (Williams)  $ 60 milhões – Anual: $ 20 milhões – Por corrida: $ 1,25 milhões (1994-1996)*

 

(Fonte: Forbes)