F1 “não tem medo de correr riscos” com novas corridas no calendário

Chase Carey, CEO da Fórmula 1, diz que eles “não têm medo de correrem riscos” quando se trata de adicionar novas corridas ao calendário.

O GP de Miami foi adiado para 2020 e será executado em uma iniciativa de compartilhamento de risco entre a F1 e o promotora local South Florida Racing, ao invés do modelo padrão de uma evento pagando à F1 uma taxa para se tornar a cidade sede do Grande Prêmio.

Este movimento causou alguma controvérsia dentro do esporte, com muitos promotores já tendo se comprometido com o modelo tradicional no longo prazo.

“Realisticamente, toda corrida é única”, disse Carey ao ‘Autosport’.

“Eu acho que cada deve olhar os termos específicos. As pessoas não percebem que esses eventos têm mais gastos móveis do que simplesmente uma taxa, já questões de hospitalidade, patrocínio, e outras coisas ao redor.

“Mas você olha para cada um com seus méritos. Quais serão os benefícios econômicos e certezas?

“Não temos medo do risco, quando acreditamos que há uma vantagem em correr o risco. Obviamente, podemos permitir isso.

“Gostamos de ter nossos promotores se arriscando no ‘jogo’, é importante para eles terem responsabilidades sobre isso.

“Mas, se pensarmos que existem oportunidades de ter vantagens tanto no evento em si, quanto nos próximos a nós em um nível mais amplo, avaliaremos os méritos. Não vamos virar o modelo de cabeça para baixo, mas se os retornos justificarem os riscos, acho que isso pode acontecer.”