Coluna do Helinho: Quero nem pensar no que poderia ter acontecido no acidente de Pocono

Oi amigos, tudo bem?

Como vocês viram, sofri um acidente bastante forte na etapa de Pocono da IndyCar, realizada na segunda, 22, porque choveu bastante no domingo e o oval da Pennsylvania ficou impraticável. Graças a Deus, não tive quaisquer consequências físicas e confesso que na hora não tive a dimensão do que estava acontecendo. Só depois, quando vi o vídeo com toda a dinâmica daquela confusão toda no pit é que tomei ciência do quão grave aquilo tudo poderia ter sido.

Uma pena ter acontecido isso, pois o carro estava bem vencedor, tanto que o meu companheiro de equipe, o Will Power, venceu com o meu acerto. Na Penske, ninguém esconde nada de ninguém. Tudo o que é obtido pelos quatro pilotos é compartilhado. Às vezes ele pegam o meu acerto, às vezes pego os deles e assim vai.

Conquistei o 4º posto na classificação, o que foi muito bom, pois desde o início trabalhamos num acerto de corrida que estava se mostrando bastante eficiente. Na corrida, a minha estratégia estava funcionando bem e consistia em não perder contato com os líderes, mas mantendo uma tocada de preservação do equipamento. O objetivo era me manter no bloco da frente e usar todas as forças quando faltassem 50 das 200 voltas para buscar a liderança de forma consistente.

A coisa estava funcionando muito bem e eu fiquei praticamente o tempo todo entre os seis primeiros. Para vocês terem uma ideia de como era real o meu potencial de vitória ou de pelo menos um pódio, na volta 60, pouco antes de entrar nos pits, eu tinha a volta mais rápida da corrida e nem estava forçando. Mas foi justamente nos pits, três voltas depois, onde aconteceu o acidente.

O Alexander Rossi, o Charlie Kimball e eu entramos praticamente juntos nos pits. A minha posição de parada ficava na frente dos dois, sendo que a do Kimball estava entre a minha e a do Rossi. Quando o pessoal da minha equipe autorizou, saí com pista limpa, mas aí levei um susto enorme ao ver um carro voando sobre mim e uma raspando na minha cabeça. É que quando o Rossi ia saindo também, o Kimball ia entrando, os dois se tocaram e o carro do Rossi veio para cima do meu.

Como a gente não desiste nunca, meu carro foi levado para a garagem e meu pessoal trabalhou duro para me fazer voltar para a corrida, mas infelizmente não deu e o negócio foi abandonar. Não é fácil você saber que tem um carro em condições de vencer uma prova e acabar fora por causa um acidente sem que você tivesse culpa alguma. Em termos de campeonato também o resultado foi negativo, pois estava em 3º e agora estou em 5º. Mas tudo isso faz parte.

O negócio é partir para a próxima e já teremos corrida nesse sábado agora, em evento noturno no Texas. Como vocês se lembram, a corrida de junho foi interrompida por causa da chuva e dos acidentes que acabaram ocorrendo, principalmente o do Josef Newgarden. Agora a gente vai retomar do ponto que parou e, se não tiver alguma modificação, vou começar em 7º.

É isso aí. Contou com a torcida de vocês, abração e vamos que vamos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *