Meca do automobilismo? Entenda como rally e F1 colocam a Finlândia em top mundial

Cultura, paixão por carros e velocidade são alguns dos fatores que destacam os pilotos do país

Por que a Finlândia é um dos destaques do automobilismo mundial? É bem provável que muitos dos amantes da velocidade já tenham se perguntado isso alguma vez. O sucesso dos pilotos do país e a grande capacidade nas competições chamam atenção, desde a época de Timo Makinen, passando por Mika Hakkinen até chegar em Kimi Raikkonen e Jari-Matti Latvala.

Neste final de semana, por exemplo, Latvala pilotará em casa, durante a nona etapa do Campeonato Mundial de Rally (WRC). Além dele, outros três finlandeses encaram a competição que estimulou a criação da alcunha ‘finlandês voador’ para os pilotos locais.

Latvala é, por enquanto, o terceiro colocado no ranking geral e já venceu uma das etapas, realizada na Suécia. Agora, ele busca diminuir a distância de 48 pontos para o líder, o francês Sébastien Ogier. Atrás na classificação, aparecem ainda os finlandeses Juho Hanninen (9º), Esapekka Lappi (13º) e Teemu Suninen (15º), que seguem mantendo a tradição do país nas pistas.

A competição será transmitida pela Red Bull TV e, em clima de preparação, selecionamos alguns fatores desse sucesso dos finlandeses no automobilismo.

O primeiro ponto a ser destacado é a cultura do país. Os condutores da Finlândia estão entre os mais cautelosos e conscientes do mundo, com taxas quase nulas de acidentes fatais ou graves no trânsito. A educação parte não somente da escola, mas também dentro dos lares e no incentivo do governo local.

Culturalmente, aliás, é comum a história de jovens comprando carros antigos e baratos e indo se aventurar em estradas pouco movimentadas. É natural por lá que isso ocorra. A paixão por veículos é gigantesca.

As estradas também são fatores preponderantes. As condições climáticas adversas tornam alguns percursos em pistas de gelo. Com isso, os pilotos necessitam adquirir habilidades específicas e experiências novas. Competitividade, calma, foco, teimosia e popularização no país são outros motivos que fazem da Finlândia uma das mecas do esporte.

Com relação aos resultados, os pilotos receberam a alcunha de “Finlandeses voadores” a partir dos anos 60. Esta denominação tem origem no início do século passado, quando os locais dominavam provas de atletismo nos Jogos Olímpicos, batendo de frente com adversários africanos e consagrados no esportes.

Timo Makinen foi o primeiro a receber tal estigma. Ele conquistou dezenas de títulos em provas de rali. No início de maio deste ano, ele faleceu e, desde então, recebe várias homenagens. Na Fórmula 1, o primeiro a carregar o apelido foi Leo Kinnunen, mas sem a mesma pompa dos seus antecessores. Nascido na Suécia, mas radicado na Finlândia, Keke Rosberg fez jus ao “finlandês voador” ao conquistar o título mundial da categoria, em 1982.

Em 1998 e 99, o principal nome do automobilismo finlandês na Fórmula 1 fez a bandeira do país aparecer mais alta no pódio: Mika Hakkinen faturou as duas edições. E em 2007, Kimi Raikkonen tornou-se o último do país a conquistar o título mundial.

Um fator que salta aos olhos é o de que o Brasil possui mais títulos mundiais na Fórmula 1, contudo, a quantidade de pilotos que conquistou foi a mesma: três para cada lado. Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet e Ayrton Senna para o país tupiniquim, enquanto que Keke, Mika e Raikkonen representam o país europeu.

ONDE ASSISTIR

A etapa da Finlândia do WRC (Campeonato Mundial de Rali) pode ser assistida ao vivo na Red Bull TV, neste domingo, a partir das 16h (horário de Brasília). Para conferir todas as emoções da prova, basta acessar o link https://www.redbull.tv/live/AP-1Q84GRYX11W11/fia-world-rally-championship ou pelo aplicativo Red Bull TV, disponível nas TVs Samsung, Sony BRAVIA, aparelhos Blu-Ray, PlayStation®4 (PS4™), PlayStation®3 (PS3™) e Apple TV.

Por Kaique Ferreira