Senna se vê na briga pela pole no México

Brasileiros começam bem e dominam primeiros treinos da LMP2

Se os treinos livres iniciais servirem de referência, são grandes as chances de um brasileiro largar na pole da classe LMP2 das 6 Horas do México, quinta etapa do Campeonato Mundial de Endurance. Nos primeiros treinos livres, realizados na noite de sexta-feira no Autódromo Hermanos Rodríguez, eles ocuparam as três primeiras posições e deixaram bem para trás os líderes da categoria – Ho-Pin Ting, Oliver Jarvis e Thomas Laurent -, relegados a uma discreta sétima colocação. Os mais velozes foram o trio da Signatech Alpine, formado por André Negrão, Gustavo Menezes e Nicolas Lapierre (1min34s556), seguidos pelos carros da Rebellion Racing, o número 13 dividido por Nelsinho Piquet, Mathias Beche e David Heinemeier Hensson (1min34s932) e o 31 compartilhado por Bruno Senna, Nicolas Prost e Julien Canal (1min35s213).

A Rebellion estava fazendo uma dobradinha até o último dos 90 minutos da prática, quando os protótipos da equipe suíça foram superados por uma excelente volta do francês Lapierre. Bruno, no entanto, minimizou a perda da posição. “Eu vinha no mesmo ritmo dele no finalzinho, mas cometi um erro que me custou alguns décimos. Mas o importante foi sentir que o carro está muito bom. Como começamos com a pista molhada e secando aos poucos, pudemos avaliar todos os tipos de pneus com resultados animadores. Acho que vamos brigar pela pole”, observou.

Bruno não soube explicar se o desempenho abaixo da expectativa dos ponteiros da tabela foi provocado pelas variáveis condições da pista ou alguma dificuldade no acerto para o circuito de 4.438 metros e 17 curvas. “Essa é uma dúvida que também temos. Seja qual for a resposta, precisamos mesmo que eles larguem o mais lá atrás possível para aumentar nossas chances de descontar a desvantagem na classificação”, admitiu. Segundo colocado na LMP2 ao lado de Canal, ambos com 70 pontos, Bruno tem ainda cinco corridas, contando com a da capital mexicana, para superar os 46 favoráveis aos líderes.

A ordem de largada para a prova de amanhã, que começará às 14 horas de Brasília, será conhecida ainda neste sábado a partir das 19h50, depois de mais duas sessões de ensaios – uma de 90 minutos e a outra de uma hora. Como determina o regulamento, cabe ao piloto mais veloz de cada equipe começar a corrida, independentemente da sessão em que registrou a volta. Bruno, até agora, foi o melhor do carro 31.

Sobre o surpreendente calendário divulgado pelo WEC, prevendo uma nova temporada começando em maio de 2018, terminando apenas em junho de 2019 e a realização de duas 24 Horas de Le Mans nesse período, Bruno disse que a organização está trabalhando para compensar a saída da Porsche da disputa dos superprotótipos da LMP1. “A previsão era de que a Porsche deixaria a categoria no final de 2018. A antecipação dos planos pegou os promotores de surpresa e agora eles estão tendo de encontrar alternativas para manter a categoria atraente.”