Senna é o mais veloz, mas sai em 4º em Austin

Média das melhores voltas de dois pilotos derruba brasileiro da pole

Bruno Senna estabeleceu a volta mais rápida da sessão classificatória que definiu nesta sexta-feira a ordem de largada da classe LMP2 das 6 Horas do Circuito das Américas, sexta etapa do Campeonato Mundial de Endurance – FIA WEC. Mas o brasileiro da Rebellion Racing não vai largar da pole, mas sim da 4ª posição do grid, por causa do regulamento que leva em conta a média das melhores voltas de dois pilotos de cada equipe. Por esse critério, quem abrirá o grid na pista texana de Austin será o trio formado por André Negrão, Nicolas Lapierre e Gustavo Menezes. A prova começará às 14 horas (Brasília).

Bruno cravou o tempo de 1min53s081, diferença pouco inferior a dois décimos sobre Daniel Heinemeier Hensson, do outro carro da Rebellion e segundo mais rápido do qualifying. Mas no average o tempo subiu para 1min54s394 e o Oreca-Gibson de Senna e Julien Canal, que também contam com a companhia de Nicolas Prost, foi superado por Hensson, Nelsinho Piquet e Mathias Beche e pelos líderes do campeonato – Ho-Pin Tung, Oliver Jarvis e Thomas Laurent, que dividirão a segunda fila com Bruno e seus parceiros.

A prova deste sábado é importante no esforço de Bruno se aproximar ainda mais da ponta da tabela, meta que parece mais ao alcance depois da vitória há duas semanas nas 6 Horas do México e que reduziu a desvantagem em relação aos líderes de 46 para 23 pontos – a vitória e a volta mais rápida rendem 26. Bruno saiu do Autódromo Irmãos Rodrigues suspeitando que a Rebellion pode ter encontrado o acerto ideal do carro, mas prefere esperar mais um pouco antes de aceitar que o trabalho de desenvolvimento está mesmo rendendo frutos. “Uma corrida não é suficiente. Temos de esperar mais um pouco para termos essa certeza.”

O que pode servir de consolo a Bruno é que o roteiro da prova na capital mexicana obedeceu a um roteiro semelhante nos treinos classificatórios. Também lá, Bruno foi o mais veloz da categoria, mas caiu para terceiro depois da entrada do segundo piloto da Rebellion. Na corrida, no entanto, tomou a ponta logo na primeira volta, abriu grande vantagem dos perseguidores e foi determinante para a primeira vitória da Rebellion Racing em sua temporada de estreia na LMP2 e a sua segunda no México.