Thiago Camilo corre em Buenos Aires com efeito suspensivo

Para Thiago Camilo, o inferno astral, período conturbado que a crença popular acredita trazer má sorte nos dias que antecedem o aniversário, começou por volta das 14h10min do dia 10 de setembro. Ontem (dia 21), um dia depois de completar 33 anos (nasceu em 20 de setembro de 1984 em São Paulo), esse inferno astral acabou: Camilo recebeu do advogado Marcelo Aiquel a notícia de que vai correr normalmente em Buenos Aires na nona etapa da temporada 2017 da Stock Car. A Comissão Disciplinar de Justiça Desportiva da CBA (Confederação Brasileira de Automobilismo), através da relatora Dra. Darlene Bello da Silva Said, acolheu o recurso do piloto e concedeu efeito suspensivo à punição aplicada a Camilo pelo acidente na largada da segunda corrida de Londrina, no último dia 10. Os comissários da CBA entenderam que Camilo foi culpado pelo acidente e o condenaram a largar da última posição do grid na corrida seguinte, em Buenos Aires, no próximo dia 1º. Com a decisão, a punição só pode ser aplicada depois do julgamento final do recurso, caso seja mantida sua culpa.

O piloto do Chevrolet número 21 da Ipiranga Mattheis acabou levando a culpa por uma largada tumultuada, numa pista já normalmente apertada, e que provocou um efeito sanfona. “Na hora que as luzes apagaram eu estava acelerando e o Rubinho (Barrichello), que estava à minha frente, freando. Tive que tirar o carro para o lado para não bater nele e depois houve um toque com o Max Wilson que me fez rodar”, explicou Camilo ainda em Londrina.

Thiago Camilo venceu a primeira corrida em Londrina e diminuiu para 13 pontos a diferença que o separa do líder da temporada, Daniel Serra, que foi o segundo colocado e também se envolveu no acidente da Corrida 2.