Equipe Prati-Donaduzzi bate seu recorde de pontos

Felipe Fraga (Cimed) e Átila Abreu (Shell) dividiram as vitórias, Daniel Serra (RC) manteve a liderança, mas a estreia da Stock Car neste domingo no circuito paulista do Velo Città apresentou o brilho de outros pilotos: o amazonense Antonio Pizzonia e o paranaense Julio Campos se recuperam de um sábado problemático no treino classificatório e garantiram à Equipe Prati-Donaduzzi 51 pontos na rodada dupla deste domingo, acima até da expectativa do diretor-técnico Rodolpho Mattheis. O time só foi superado – e por apenas um – pela equipe-irmã Ipiranga-A. Mattheis. Pizzonia marcou um 5º e um 6º lugares, enquanto Campos saiu da 7ª etapa com um 11º e um 5º. Por várias voltas, na segunda bateria, colocaram os carros roxinhos em P1 e P2.

O desfecho no belíssimo autódromo particular erguido numa fazenda da pequena Mogi-Guaçu foi muito melhor do que poderiam sugerir a 18ª e 23ª posições de Campos e Pizzonia na prova de abertura da programação. Por isso, terminar as duas corridas em ótima forma e com o resultado mais positivo da equipe até agora foi motivo de comemoração, em grande parte decorrente do trabalho sólido da dupla, das estratégias acertadas e, claro, de um pouco de sorte durante os inúmeros períodos de bandeira amarela e safety-car. “Foi um grande alívio”, resumiu Mattheis. “Saímos do inferno para o ceu em 24 horas. E se tivéssemos terminado em 10º na primeira corrida com o Campos, o que nos daria a pole da segunda, vai saber o que poderíamos estar festejando agora.”

Pizzonia era a imagem da satisfação ao final de uma jornada cansativa, com temperaturas elevadas para a época (acima de 25 graus) e um consumo de pneus abaixo do esperado. Afinal, como observou, coletou mais pontos no Velo Città do que em todas as provas anteriores, subindo da 25ª para a 18ª colocação no campeonato. “Estou muito feliz. A equipe fez um trabalho excelente, principalmente na estratégia. Conversamos bastante durante as corridas e trocamos muitas ideias. Fica só uma pequena preocupação em relação aos meus freios, que têm um probleminha ainda não resolvido desde ontem. Tínhamos a esperança de abrir a segunda metade do calendário como deveria ter sido desde o início e felizmente demos sorte hoje. Chegamos à pista nesta manhã com muitas dúvidas, criamos três táticas diferentes e acabamos optando pela menos provável, pelo menos no meu caso. E deu certo”, comentou.

Campos adotou o mesmo discurso do parceiro, exaltando a superação de dificuldades que pareceram incontornáveis depois do qualifying da véspera. “Só não foi ainda mais positivo porque na primeira corrida, quando eu corria em 10º, o Átila me ultrapassou num ponto em que eu não esperava. Mas foi mérito dele, que naquele momento estava mesmo com um carro mais rápido. Acontece. De qualquer forma, estou alegre em marcar tantos pontos. Agora, vamos com tudo para Londrina, tentar manter este ritmo e subir um pouquinho tanto na disputa dos pilotos quanto das equipes”, afirmou o curitibano, que se manteve em 11º no campeonato, agora com 96 pontos.

Serra se manteve na ponta da tabela com 209 pontos, contra 192 de Thiago Camilo e 167 de Átila. O calendário voltará a ser movimentado no dia 10 de setembro no Autódromo Internacional Ayrton Senna, em Londrina.