Sergio Jimenez e Rodrigo Baptista vencem os 300 km de Goiânia pela Porsche Império GT3 Cup

Alan Hellmeister e Luca Seripieri capricham na estratégia para triunfar na classe Challenge

A promessa de muitas emoções foi cumprida à risca na segunda etapa da Porsche Império GT3 Endurance Series, realizada na manhã deste sábado em Goiânia. Melhor para Sergio Jimenez e Rodrigo Baptista, que retomaram a parceria e venceram com autoridade a prova de 300 km. É a primeira dupla na história das corridas de longa duração da categoria a repetir uma vitória.

Na classe Challenge, graças a uma estratégia precisa de permanecer na pista após a intervenção do safety-car devida a acidente na largada, Alan Hellmeister e o jovem Luca Seripieri levaram o carro #31 até o lugar mais alto do pódio.

Ao longo de 79 voltas, nove carros diferentes lideraram a prova, que teve ao todo 13 trocas de ponteiros.

Mas o maior sinal do quão disputadas foram as posições nos pódios foi a diferença entre os carros #21 e #79 na classe Challenge, respectivamente, terceiro e quarto colocados na categoria. Eloi Khouri recebeu a bandeirada com ínfimos 0s004 de vantagem sobre Lucas Peres.

Ao melhor estilo das 24 Horas de Le Mans –prova que em 2017 quase teve um vencedor da classe LMP2 até o Porsche #2 assumir a dianteira no final–, a jornada de endurance em Goiânia também proporcionou os bólidos de menor potência à frente do pelotão. Os carros da classe Challenge lideraram nada menos que 37, das 79 voltas da prova.

Na pontuação do campeonato, não por acaso, o equilíbrio é refletido após duas das três provas de longa duração do ano. A liderança na classe Cup agora é da dupla da Brandt, Miguel Paludo e Beto Gresse, com apenas dois pontos de vantagem sobre o carro da Shell Racing, de Lico Kaesemodel e Ricardo Zonta. A seguir vem isolado Sergio Jimenez a cinco tentos do topo.

Na Challenge o panorama é idêntico: Hellmeister-Seripieri assumiram a liderança por apenas um ponto de vantagem sobre Lucas e Marcus Peres, dupla de pai e filho do carro #79. Na sequencia aparecem Dennis Dirani e Rodolfo Toni, dupla da Shell Racing, seis pontos atrás dos líderes.

A próxima reunião da Porsche Império GT3 Cup acontece na preliminar do GP Brasil de F1 em Interlagos, com os carros de corrida mais produzidos no planeta realizando o evento suporte da categoria máxima pelo 13o ano consecutivo. Será a última etapa de sprint do ano, com as coroas das classes Cup e Cup Sport em jogo.

O campeonato de endurance termina nos dias 1o e 2 de dezembro, também em Interlagos, com prova de 500 km que confere pontuação diferenciada e pode ser disputada em duplas ou trios.

 

A corrida

Se a largada foi limpa no pelotão da frente, com Ricardo Zonta ultrapassando Ricardo Baptista e Sergio Jimenez para assumir a primeira colocação, no meio do pelotão, uma grande confusão com um múltiplo acidente logo precipitou a entrada do carro de segurança.

Pela quantidade de carros imóveis (cinco ao todo), aparentava ser uma longa intervenção da bandeira amarela. Mas durou apenas duas voltas, o que fez toda a diferença no final.

Alheio ao tumulto, Zonta aproveitou para assumir a liderança. E com o carro de segurança na pista, os líderes logo anteciparam a primeira parada nos boxes.

Enquanto isso, quatro competidores da Challenge decidiram seguir na pista: Rouman Ziemkiewicz, Luca Seripieri, Dominique Teysseyre e Marcus Peres.

Já entre os competidores que decidiram parar nos boxes, o top 5 era: Lico Kaesemodel (sexto no geral), Ricardo Baptista, Sergio Jimenez, Marcal Müller e Marcus Vario.

Após as dez primeiras voltas, Marcus Peres tomou a liderança da prova e, com uma boa vantagem na ponta, graças a uma disputa muito acirrada entre os carros da Challenge que vinham a seguir. Já na Cup, Kaesemodel foi ultrapassado por Ricardo Baptista e Jimenez.

Logo atrás, Nelsinho Piquet ultrapassou Marçal com um X na curva 1 em disputa dos carros da Michelin.

Peres seguia tranquilo na ponta da Challenge e da prova, mas a luta pela liderança da Cup seguia emocionante. Enquanto Ricardo Baptista e Jimenez lutavam pelo primeiro lugar, Nelsinho Piquet se aproveitou e se aproximou dos líderes na marca de 25 minutos.

Um pouco mais atrás, Marcus Vario tocou na traseira do carro 5, que estava com Marçal Müller. Ele rodou e acabou atingido por Werner Neugebauer, o que causou a antecipação da segunda parada nos boxes. Vario acabou punido por conta do incidente, mas a dupla Pedro Piquet-Marçal Müller ficou pelo caminho prematuramente.

Na marca de 30 minutos de prova, Jimenez ultrapassou Ricardo Baptista. Já os ponteiros, que não haviam entrado nos boxes no início, foram para o pit stop.

Em disputa pela segunda colocação na Cup, Nelsinho e Ricardo ficaram emparelhados. Então, o campeão da Fórmula E foi espremido, e ambos saíram da pista. Nelsinho ainda conseguiu voltar em terceiro na classe, enquanto Baptista saiu da pista, mas logo voltou. Melhor para Kaesemodel, que herdou a segunda posição. No entanto, logo o competidor da Shell Racing foi superado por Piquet e Julio Campos, com o carro #9 muito veloz.

Com 23 voltas completadas, os líderes novamente começaram a entrar nos boxes para mais uma parada.

Com os pits dos carros da Cup, Marcus Vario, que havia parado para cumprir punição, assumiu a liderança. Logo a seguir vinham os pilotos da Challenge Lucas Peres, Alan Hellmeister e Fábio Carbone.

Rodrigo Baptista saiu dos boxes em sexto no geral e liderando na Cup. Depois, quando os carros voltaram para a pista, Daniel Schneider foi ultrapassado por Ricardo Zonta. Em seguida, colocou duas rodas na grama e acabou superado também por Julio Campos, Beto Gresse e Pedro Queirolo.

Com a parada de Vario nos pits, a liderança no geral ficou com Alan Hellmeister e o Challenge #31. A seguir vinham: Lucas Peres e Fábio Carbone. Em quarto no geral, Rodrigo Baptista liderava na classe Cup, à frente de Julio Campos, Ricardo Zonta, Felipe Fraga e Beto Gresse.

Com metade da prova completada, três carros da categoria Challenge seguiam na liderança da prova com uma parada nos boxes: Alan Hellmeister, Fábio Carbone e Lucas Peres. Na sequência, estavam Rodrigo Baptista, Julio Campos, Beto Gresse, Valdeno Brito e Cacá Bueno.

Durante o segundo pit, o carro #63 teve o alerta de temperatura aceso no painel, e os pilotos foram para o carro reserva. No entanto, a operação durou 50s mais do que o limite mínimo dos seis minutos de parada, dinamitando as chances de a dupla da Shell Racing repetir a vitória da etapa de abertura do campeonato no Velo Città.

Com 1h20 de corrida, Alan Hellmeister entrou nos boxes, assim, Rodrigo Baptista, da Cup, assumiu a liderança geral, seguido por Julio Campos e Cacá Bueno. Não demorou muito e os três também logo entraram para uma nova rodada de pit stops.

Com uma tática diferente, a dupla formada por Ricardo Baptista e Valdeno Brito arriscou na terceira parada, permanecendo 1m06 nos boxes. Com isso, assumiram a liderança com uma volta de vantagem sobre Beto Valério/Marcus Vario.

Enquanto isso, Fabio Carbone mantinha a ponta na classe Challenge e o segundo lugar geral, após nova rodada de pit stops para Beto Valério/Marcus Vario.

Com 20 voltas para o desfecho, o resultado da prova ainda era uma incógnita. Valdeno seguia na liderança, com duas voltas de vantagem sobre Carbone.

No giro 60, Valdeno, então, levou o carro para os boxes para a última parada de seis minutos. Com isso, Rodrigo Baptista assumiu a ponta na Cup.

Ricardo Baptista deixou os boxes em sétimo, ultrapassado por Rodrigo, Cacá Bueno, Beto Gresse, Nelsinho Piquet, Fábio Carbone (liderando a Challenge) e Marcus Peres.

Com dez voltas para o fim da prova, Rodrigo Baptista entrou nos boxes para a última parada. Com o tempo de 1m00s462, ele ainda conseguiu sair na liderança da prova, na frente de Ricardo Baptista. Cacá Bueno vinha em terceiro, com Beto Gresse em quarto e Ricardo Maurício em quinto, catapultado por uma precisa parada com o carro #88 na reta final da prova.

Já na Challenge, a ponta seguia com Dominique Teysseyre/Fábio Carbone, em décimo no geral. Completavam o top 5 na categoria: Alan Hellmeister, Eloi Khouri, Marcus Peres e Maurizio Billi.

Com uma boa vantagem de Rodrigo Baptista na liderança, a briga pelo segundo lugar entre Ricardo Baptista e Cacá Bueno roubou a cena nas voltas finais.

Mais veloz, o pentacampeão da Stock Car conseguiu a ultrapassagem na entrada da curva 3, com cinco voltas para o fim da prova.

Já com duas voltas para acabar a corrida, Alan Hellmeister ultrapassou Dominique Teysseyre para assumir a ponta da Challenge.

Sem mais ser incomodado pelos adversários, Rodrigo Baptista levou o carro até o fim para garantir a vitória ao lado de Sérgio Jimenez. Sylvio de Barros/Cacá Bueno, Ricardo Baptista/Valdeno Brito, Edu Azevedo/Ricardo Maurício e Miguel Paludo/Beto Gresse completaram o top 5.

Na Challenge, Alan Hellmeister e Luca Seripieri ficaram com o primeiro lugar (11o no geral), com Dominique Teysseyre/Fábio Carbone logo em seguida.

Impressionou ainda a disputa pelo terceiro lugar na Challenge, quando Eloi Khouri (com Esteban Guerrieri) superou Lucas Peres (com Marcus Peres) por quatro milésimos de segundo. Pai e filho, Maurizio e Marco Billi completaram o pódio em quinto.

 

Declarações dos pilotos

 

“Foi muito bom. Tivemos uma baita estratégia, conseguimos manter um ritmo bom. Jimenez estava muito rápido”

Rodrigo Baptista

 

“Esse é o segredo, aquele que consegue manter o aprendiz melhor que o professor. Ele está em um ritmo muito bom. Agora, vamos para Interlagos. A ideia é ir para cima e tentar vencer. É uma prova mais longa, com mais estratégia. É tentar vencer de novo para não ter de depender de ninguém no campeonato. Favorito é todo mundo”

Sérgio Jimenez

 

“Ser constante está ajudando. Com certeza, poderíamos estar em uma situação pior. O acerto do carro não era o ideal. Nos treinos, achamos que tínhamos feito progresso, mas na classificação o carro não funcionou para mim. Beto (Gresse) fez um ótimo trabalho, queria agradecer. O campeonato se constrói assim, tem de ter sorte, maximizar o prejuízo nos dias ruins. Estamos fazendo isso. Chegou o momento de acharmos o que está faltando para poder disputar a corrida e andar mais para frente. Não está morto que peleia. Está sendo um ano excelente, liderando os dois campeonatos aqui. Até a bandeira quadriculada no fim, o campeão não está consagrado”

Miguel Paludo

 

“Fico feliz com a oportunidade. Não tivemos o ritmo que esperávamos, mas conseguimos mais um pódio, que é importante”

Beto Gresse

 

“As provas de endurance são assim: para ter um bom resultado é preciso conciliar velocidade, estratégia e bom ritmo de prova. Eu e o Sylvio (de Barros) conseguimos isso desde a largada, inclusive buscando nas paradas nos livrar do tráfego e assim conseguir mais tempo de pista livre. A administração dos pneus também foi importante, porque estava bem quente hoje em Goiânia e também conseguimos poupar bem o equipamento”

Cacá Bueno

 

“Antecipamos um pouco a parada, o safety entrou muito de cara. Ficamos em dúvida se o melhor foi entrar ou não porque o safety durou só uma volta. Seguimos batalhando a prova toda e conquistamos o terceiro lugar, o que foi muito bom. A pista estava muito quente, inclusive com o asfalto esfarelando na curva do Cotovelo. Mas estou muito feliz com o terceiro lugar e o Valdeno ajudou muito, ele estava bem rápido e foi decisivo para buscarmos esse resultado”

Ricardo Baptista

 

“Foi extremamente difícil. O carro da Challenge é ainda mais desgastante, por conta do câmbio. A gente sabia que ainda não tinha o ritmo que precisávamos. Demos uma arriscada na estratégia no começo. Foi excelente. Eu, particularmente, estou muito contente por uma questão pessoal. Na primeira prova, cometi um erro. Tinha de me dedicar mais para retribuir o carinho e a confiança do Luca (Seripieri). O time todo trabalhou bem. O Luca ficou decepcionado com o rendimento no treino, mas levantou a cabeça para a prova. Fizemos uma estratégia mais ousada. Estão todos de parabéns. Voltamos agora para o páreo”
Alan Hellmeister

 

“Foi uma superação, sem dúvida. No qualificatório, o resultado não desceu, estava engasgado, foi meu pior treino aqui, eu não soube gerenciar o carro. Largamos em sexto, teve aquela batida no início. Entrou o safety car e consegui evitar. Todos entraram nos boxes, não conseguia falar com o chefe de equipe e decidi não entrar. Conseguimos abrir umas duas voltas e isso ditou nosso ritmo até o fim. Tenho de agradecer ao chefe de equipe também. Ganhamos graças a ele e ao time”

Luca Seripieri

 

“Não estava tão quente de manhã, então, foi uma ótima decisão ter trazido a corrida para a parte da manhã. Tive dois bons dias com o Fábio (Carbone). Além de ser um grande piloto, é um ótimo professor. Me levou para um nível acima. Pulei uns três níveis acima em dois dias. Me senti muito bem. Foi brilhante. Alcançamos esse ótimo segundo lugar, não tenho o que reclamar”

Dominique Teysseyre

 

“Vim aqui para ajudar o Dominique (Teysseyre) mesmo. Então, o ideal era fazer com que ele melhorasse. Ele melhorou. Conseguimos fazer uma corrida legal, é bom para dar uma incentivada para ele. Ele tem futuro ainda”

Fábio Carbone

 

“Estamos felizes por trabalharmos juntos, queria agradecer ao Esteban (Guerrieri). Vamos trabalhar para Interlagos. Foi por pouco”

Eloi Khouri

 

“A gente fez a mesma estratégia do Velo Città, não paramos no Safety Car. Foi a estratégia certa. Não tínhamos o ritmo mais rápido, mas fomos constantes. No fim, briguei com o Eloi (Khouri), consegui ultrapassá-lo. Na última volta, viemos brigando a volta inteira. Passamos com quatro milésimos de diferença. É impressionante, foi muito legal”

Lucas Peres

 

“Primeiro, queria agradecer à Porsche, à organização, à Hero. Foi uma corrida de resistência, de estratégia. Quando paramos no início da prova, achamos que o safety car seria mais longo. Isso complicou um pouco. Mas foi muito divertido”

Esteban Guerrieri

 

“É a melhor sensação do mundo (poder está no pódio com meu pai). Esse era o objetivo desde o início quando ele me convidou para correr com ele. Acabei fazendo o campeonato todo, mas consegui andar com ele também. Estar no pódio é o que a gente queria, na verdade”

Marco Billi

  

Endurance Series – Goiânia*

1) 3 Rodrigo Baptista/Sérgio Jimenez

2) 0 Sylvio de Barros/Cacá Bueno

3) 27 Ricardo Baptista/Valdeno Brito

4) 88 Edu Azevedo/Ricardo Maurício

5) 7 Miguel Paludo/Beto Gresse

6) 77 Daniel Schneider/Nelsinho Piquet

7) 63 Lico Kaesemodel/Ricardo Zonta

8) 44 Beto Valério/Marcus Vario

9) 13 Pedro Queirolo/Clemente Lunardi

10) 37 Guilherme Reischl/Juliano Moro

11) 31 Luca Seripieri/Alan Hellmeister (CHA)

12) 33 Dominique Teysseyre/Fábio Carbone (CHA)

13) 21 Eloi Khouri/Esteban Guerrieri (CHA)

14) 79 Marcus Peres/Lucas Peres (CHA)

15) 4 Beto Leite/Nonô Figueiredo

16) 34 Marco Billi/Maurizio Billi (CHA)

17) 19 Tom Filho/Rodrigo Mello (CHA)

18) 155 Ricardo Mendes/Sérgio Maggi (CHA)

19) 53 Rodolfo Toni/Dennis Dirani (CHA)

20) 9 Guilherme Figueiroa/ Julio Campos

21) 80 Nando Elias/Rouman Ziemkiewicz (CHA)

22) 90 JP Mauro/Felipe Fraga

23) 45 Paulo Totaro/Fernando Fortes (CHA)

24) 5 Marçal Müller/Pedro Piquet

25) 8 Werner Neugebauer/Renan Guerra

26) 18 Carlos Ambrósio/ Felipe Nasr

*Resultado sujeito a confirmação dos comissário

 

Endurance Series – Campeonato

Cup

1. Miguel Paludo, 106 pontos

Beto Gresse, 106

3. Lico Kaesemodel, 104

Ricardo Zonta, 104

5. Sergio Jimenez, 101

6. Cacá Bueno, 79

Sylvio de Barros, 79

8. Daniel Schneider, 73

9. Beto Leite, 69

Nonô Figueiredo, 69

11. Rodrigo Baptista, 68

12. Beto Valério, 62

Marcus Vario, 62

14. Pedro Piquet, 55

Marçal Müller, 55

Ricardo Baptista, 55

Valdeno Brito, 55

18. Pedro Queirolo, 53

Clemente Lunardi, 53

20. Felipe Nasr, 50

Ingo Hoffmann, 50

Eduardo Azevedo, 50

Ricardo Maurício, 50

24. Marcel Visconde, 40

Fernando Fortes, 40

Nelson Piquet Jr., 40

27. Adalberto Baptista, 36

Bruno Baptista, 36

29. JP Mauro, 26

Felipe Fraga, 26

Guilherme Reischl, 26

Juliano Moro, 26

33. Werner Neugebauer, 22

Allam Khodair, 22

Guilherme Figueirôa, 22

Júlio Campos, 22

37. Ramon Alcaraz, 20

Bia Figueiredo, 20

39. Renan Guerra, 0

Carlos Ambrósio, 0

 

Challenge

1. Luca Seripieri, 53 pontos

Alan Hellmeister, 53

3. Marcus Peres, 52

Lucas Peres, 52

5. Rodolfo Toni, 47

Dennis Dirani, 47

7. Tom Filho, 45

Rodrigo Mello, 45

Eloi Khouri, 45

10. Dominique Teysseyre, 44

11. Marco Billi, 38

Maurizio Billi, 38

13. Fabio Carbone, 29

14. Nando Elias, 26

Rouman Ziemkiewicz, 26

Esteban Guerrieri, 26

17. Paulo Totaro, 23

Ronaldo Kastropil, 23

19. Marco Cozzi, 19

20. Ricardo Mendes, 17

Sérgio Maggi, 17

22. Giuliano Losacco, 15

23. Fernando Fortes, 0