Crutchlow: Honda é um “desastre” no meio do pelotão

Cal Crutchlow disse ser um “desastre” as corridas muito próximos aos adversários, já que a Honda superaquece o pneu dianteiro e sofre desaceleração sob essas condições.

O piloto da LCR Honda estava no meio do pelotão – que em um momento contou com oito pilotos separados por um segundo – sentiu que o pódio era possível, mas teve que se contentar com a sexta posição, enquanto o também piloto da Honda Marc Marquez venceu a corrida.

Mas Crutchlow sentiu que Marquez teria dificuldades em vencer se não tivesse na parte da frente do grid, já que a Honda “não funciona” quando corre perto dos rivais.

“Não foi bom estar nele (pelotão), eu precisava estar na frente, onde Marc estava ou atrás dele com um intervalo de um segundo.

“Mas sim, ótimo, foi uma batalha épica, etc, mas com a Honda nele (pelotão) foi um desastre, porque a nossa moto não funciona quando estamos no meio do pelotão.

“Você pode ver o ritmo de Marc durante todo o final de semana, ele estava fazendo ‘1:33.0’ com os olhos fechados e ele os fez sozinho durante todo o final de semana.

“Se ele não tivesse na frente, ele teria sido superado. Não podemos piloto em grupo com a Honda. Ela balança, nosso pneu dianteiro superaquece demais e e estamos sendo vencidos pelas Ducatis na potência significativamente.

“Não me entenda mal, meu time fez um bom trabalho e eles me preparam uma moto que foi boa o suficiente para o pódio e eu nunca fiz isso acontecer.”

Pergunto o por que da Honda sofrer em condições de corrida, Crutchlow não sabia explicar, mas disse que tem sido um problema “ano após ano” para a Honda.

“Eu não sei. Nossa moto este ano é melhor que do ano passado, com certeza. Você viu onde terminamos no ano passado; terminei em quarto e Marc em terceiro (em Assen).

“Ele venceu este ano e eu terminei em sexto. Mas, novamente, fomos competitivos em todas as pitas este ano, e temos que ficar satisfeitos com isso.

“Se soubéssemos por que nossa moto está superaquecendo o pneu dianteiro, mudaríamos, mas é a mesma coisa ano após ano, e temos que trabalhar nisso, porque essa é a área que realmente estamos lutando para melhorar – o superaquecimento da frente.

“Uma vez que você esteja na frente e consiga um pouco de ar limpo, fica muito mais fácil”.