Único a terminar todas as provas no pódio, Di Grassi é 3º em Buenos Aires

O sábado de carnaval teve muita ação na pista em Buenos Aires. Nas ruas de Porto Madero, distrito da capital argentina, a Fórmula E realizou a quarta etapa da temporada 2015/2016 e a vitória ficou com o britânico Sam Bird, da DS Virgin Racing. Com mais um excelente resultado e 100% de presenças no pódio no atual campeonato, Lucas di Grassi terminou a prova na terceira colocação, uma posição atrás do líder do campeonato, o suíço Sébastien Buemi, da Renault e.Dams.

“Larguei em sétimo, em uma classificação que não foi muito boa. A corrida, no entanto, estava indo muito bem. Passei para sexto, quinto, quarto e terceiro antes do pit stop, e na entrada o Nico (Prost, que estava à frente de Lucas) já tinha consumido toda a bateria e o carro dele apagou no pit lane. Eu tive meio que empurrá-lo porque eu precisava entrar no meu box para fazer a troca. Além disso, existe uma velocidade mínima dentro dos pits que é de 45 km/h, então foi uma situação meio bizarra porque eu não podia andar abaixo de 45 e ele diminuía mais e mais a velocidade e eu não tive outra alternativa a não ser dar uns toques para empurrá-lo adiante”, contou Lucas, rechaçando qualquer suspeita de um possível jogo de equipe de Prost para favorecer seu companheiro de Renault e.Dams Sébastien Buemi.

No entanto, foi a entrada do safety car por causa do carro do português Antonio Félix da Costa – parado na pista com problemas – que prejudicou mais a prova do brasileiro. Para Di Grassi, este foi o ponto chave na estratégia de sua corrida – na qual alimentava boas chances de vitória.

“O safety car depois atrapalhou a nossa estratégia – acho que sem essa entrada a nossa chance de vencer a corrida era bem maior – porque estávamos dez segundos à frente do Buemi e a entrada do carro de segurança neutralizou essa diferença. Tentei atacar o Sam (Bird, líder da prova) o máximo que pude por três ou quatro voltas, usei a energia; aí perdi o ‘momentum’ e o Sébastien estava ali, não tive muito o que fazer: tentei defender, ele passou e fiquei em terceiro”, resumiu o piloto da ABT Schaeffler Audi Sport.

Vindo de dois segundos lugares e uma vitória, o brasileiro destacou que teve de usar mais energia que o normal para se manter no ritmo dos líderes. Tanto que no final fez-se necessária a economia para que pudesse cruzar a linha de chegada ao menos em terceiro, a pouco mais de sete segundos do vencedor.

“Não acho que nosso carro estava tão bom aqui. Esta foi a nossa pior corrida até agora em termos de ritmo; o qualifying não foi legal e na corrida eu tive que usar mais energia que o normal e por isso tive que economizar bastante no final. A Renault está um grande passo à frente da concorrência, e se quisermos brigar pelo campeonato vamos ter de trabalhar mais duro ainda”, finalizou Lucas, que agora está quatro pontos atrás de Buemi na classificação da temporada da Fórmula E.

A Fórmula E segue na América Latina e segue para a quinta etapa que acontece no dia 12 de março na Cidade do México. Lucas di Grassi segue como o único piloto a subir no pódio em todas as etapas da atual temporada da categoria.