Whiting minimiza atraso para 2018 devido ao halo

O diretor da Fórmula 1, Charlie Whiting, minimizou as sugestões de que as equipes estejam atrasadas com seus projetos de 2018, atrapalhados pela decisão de implementar o “halo”.

A FIA pressionou pela introdução de uma proteção para cabeça durante os último anos, seguindo uma série de incidentes e testou o halo extensivamente em 2016, mas decidiu adiar sua introdução.

Outras opções foram exploradas antes de ser anunciado em julho que o halo tinha sido considerado o sistema mais adequado e seria obrigatório nos carros no próximo ano.

As equipes da Fórmula 1, em um estágio avançado com seus projetos para 2018, tiveram que incorporar o halo relativamente tarde, com a especulação de que poderiam estar com os projetos atrasados.

Whiting, no entanto, acredita que não existem grande problemas para instalação do halo.

“Tenho certeza de que eles estão ‘brigando’ um pouco, mas tenho a certeza de que eles conseguirão testar”, comentou Whiting.

“Eles tendem a fazer tudo bem no final, e a julgar pela quantidade de perguntas que estamos recebendo, não está provando ser muito complicado.

“Nós temos alguns problemas com câmeras de alta velocidade, e exatamente onde eles vão se sentar, mas são relativamente menos importantes”.

A Fórmula 2 também utilizará o halo já no próximo ano e Whiting explicou que a decisão tardia exigiu algumas revisões no processo de construção.

“Foi um pouco tarde, o chassi, haviam dois chassis já feitos”, disse ele.

“Tivemos que parar e fazer outro molde para produzir chassis suficiente para o início do ano, mas me disseram que tem sido relativamente fácil”.