Sirotkin em “doloroso” GP espanhol relata problemas no assento do carro

Sergey Sirotkin diz ter sofrido um “muito doloroso” GP da Espanha, não só pelo ritmo da Williams, mas também pelo seu lugar no grid, entre outros problemas.

O piloto russo começou a corrida de domingo em 19º lugar, depois de ser punido com uma penalidade de três lugares no grid de largada, por causar uma colisão na corrida anterior em Baku. Apesar de ter completado a prova na Espanha em 14º, ele foi de fato, o último piloto na lista dos que completaram a corrida e estava a três voltas do vencedor Lewis Hamilton.

“É a corrida mais difícil que já fiz até agora. Eu não diria mesmo uma corrida, na verdade. Tive um bom começo, um bom lançamento e, obviamente, fui apanhado na curva três com aqueles giros e a queda à frente, e estava em uma posição em que não conseguia enxergar aonde estava indo”, disse Sirotkin ao “Motorsport”.

Ele acrescenta: “Eu vi que estava prestes a acertar o carro à frente (Grosjean). Estava tão cheio de fumaça que eu simplesmente não vi nada, eu precisei pará-lo completamente para evitar o acidente, e uma vez que passei, eu era como o último carro na pista”, detalhou o russo.

Isso, no entanto, foi apenas o começo dos problemas para o novato, que lutou com um assento no carro, que lhe causava muito desconforto.

“Então eu comecei a lutar com … digamos assim para não incomodar ninguém – o problema é com o conforto do assento. Nós temos ele desde o começo do ano e nós nunca tivemos a oportunidade de olhá-lo corretamente e melhorá-lo, mas (na corrida) foi… nós fizemos algumas mudanças e eu não tenho certeza se elas estavam no caminho certo”, revelou o piloto.

Segundo ele, isso restringiu o foco, e então o russo cometeu um erro no reinício após o safety car virtual, rodando o carro. De acordo com o piloto “foi realmente sobreviver até o fim” da corrida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *