Monza não consegue renovar contrato com a FOM

O GP da Itália continua sob ameaça já que uma reunião entre seus chefes e Bernie Ecclestone não se mostrou conclusiva, como esperado inicialmente.

A corrida icônica parecia estar salva quando Angelo Sticchi Damiani, presidente do Automóvel Clube da Itália, disse que um novo acordo era iminente, depois de conseguir acertar os termos e as fontes das finanças para salvaguardar a corrida até 2020 ou 2023.

Com a esperança de um acordo ser fechado até o final de fevereiro, uma reunião entre as duas partes se revelou inconclusiva e um acordo final permanece sem solução. Segundo o site da revista ‘Autosport’, o ponto de discórdia continua sendo as melhorias, que são consideradas necessárias como garantia para o acordo seguir em frente.

Embora não queira dizer que a corrida, que está sem contrato após o evento deste ano, não vá permanecer, é o mais recente revés no que tem sido um período difícil para o circuito de Monza, que já recebeu o GP da Itália todos os anos desde 1950, exceto em 1980, que foi realizada em Imola.

Considerada uma das poucas corridas remanescentes emblemáticas no calendário, a perda de Monza recebeu protestos de muitos pilotos, como Sebastian Vettel, que disse que essa ameaça é uma ‘besteira’.

Ímola está pronta para potencialmente assumir o GP da Itália depois que o governo local aprovou as finanças necessárias para pagar as melhorias e a taxa de corrida.