McLaren espera por uma posição da Honda sobre penalidades de Vandoorne

A McLaren ainda não tem certeza se Stoffel Vandoorne precisará assumir novos elementos da unidade de potência para o Grande Prêmio de Cingapura, o que resultaria em novas penalidades de grid.

Vandoorne já está em sua sexta unidade de energia, sétimo mecanismo de combustão interna (MGU-K) e o 10º MGU-H e turbocompressor após uma série de problemas de confiabilidade.

De acordo com os atuais regulamentos da F1, os pilotos podem usar apenas quatro de cada um dos seis elementos que compõem a unidade de potência (energia ou simplesmente, motor) antes que as penalidades de grid sejam impostas.

Uma penalidade de grid de 10 posições é imposta na primeira vez que um quinto elemento é usado, perdendo mais 5 lugares cada vez que um quinto elemento de qualquer um dos componentes restantes seja usado.

McLaren recebeu diversas penalidade de grid em Monza; Fernando Alonso instalou sua unidade “Spec 3.7” da Honda durante as sessões de treinos, antes de revertes para os componentes mais antigos, em uma tentativa de maximizar suas chances no circuito da Marina Bay, enquanto Vandoorne teve novos problemas.

Vandoorne perde a potência durante a qualificação e corrida, o último devido a uma suspeita de problema no MGU-K, e a McLaren ainda não “confirmou oficialmente” com a Honda se novas peças serão necessárias.

“Cingapura é uma das melhores chances do ano em termos de combinar o nosso pacote com as características desse circuito de rua.

“Trabalhamos arduamente para tentar evitar penalidades que podem atrapalhar nosso progresso lá.

“Esperamos que, após o abandono de Stoffel em Monza, não tenhamos que usar novos elementos da unidade de potência, embora isso ainda não esteja confirmado”.