Luvas biométricas serão novamente testadas nos treinos para o GP dos EUA

A FIA está planejando novos testes de suas novas luvas biométricas com pilotos de Fórmula 1 nos treinos para o Grande Prêmio dos Estados Unidos.

A FIA espera que as luvas, inicialmente testadas durante o GP da Hungria, possam ser um grande avanço para ajudar os médicos.

As equipes Red Bull, Force India e Haas estão preparadas para testar em seus pilotos e julgar os dispositivos em Austin.

As luvas, que possuem sensores integrados na área da palma da mão, ajudam a monitorar a frequência cardíaca do piloto e os níveis de oxigênio e sangue, portanto, em caso de acidente, a equipe médica é capaz de monitorar remotamente as condições do piloto.

A tecnologia é um projeto conjunto entre o piloto, Alan vam der Merwe, e o médico da F1, Ian Roberts, que trabalham a ideia com a FIA.

Van der Merwe disse: “É sobre ver o invisível. Quando estamos a caminho de um acidente, o que acontece entre o impacto e a hora que chegamos não é visto.

“Um piloto poderia estar inconsciente por 30 segundos e nunca saberíamos.

“Ter essa informação em mãos ajudará as equipes e os pilotos, porque seremos mais capazes de avaliar as coisas e tomar decisões corretamente.”

Roberts acrescentou: “Se o piloto tiver um grande acidente e não sair do carro, há algo acontecendo com ele? Nós não sabemos no momento até chegarmos lá.”

As luvas biométricas possuem um sensor óptico leve e uma bateria separada, o que garante que a luva ainda possa continuar enviando dados, mesmo que a energia do carro tenha sido cortada.

Os dados são transmitidos sem fio e podem ser apanhados quando o carro médico estiver a menos de 500 metros de um acidente, de modo que os médicos tenham tempo para se preparar.