Liberty culpa organizadores do GP do Brasil por violência em Interlagos

A nova proprietária da F1, a Liberty Media, pressionou os organizadores do GP do Brasil de F1 afirmando que os casos de violências ocorridos em Interlagos durante o final de semana passado “não é sua responsabilidade”.

Várias equipes sofreram tentativas de assalto durante o fim de semana da corrida enquanto transitavam de Interlagos para os hotéis.

E agora, a Pirelli cancelou os testes de pneus pós-corrida planejado com a McLarem, depois que uma van com a equipe de fornecedores tornou-se a última vítima da violência de São Paulo.

A situação desencadeou vários rumores. A F1 poderia não retornar para Interlagos, em meios as especulações de que Rio de Janeiro ou Florianópolis poderia ser alternativas.

A proprietária da F1 Liberty Media respondeu oficialmente à violência de São Paulo, com um porta-voz afirmando que “essa decepção não é uma palavra suficientemente forte”.

A Liberty colocou a culpa nos organizadores do GP do Brasil, deixando claro que exige uma resposta forte.

“Não é nossa responsabilidade”, afirmou o porta-voz.

“Nós somos apenas o titular dos direitos comerciais. Nós vendemos esses direitos para o promotor local e a segurança é sua responsabilidade.

“Temos nossa própria equipe de segurança que viaja conosco e estamos ativamente envolvidos, mas não podemos ser especialistas em todas as cidades para onde vamos.

“Nós temos um ano entre agora e a próxima corrida para ajeitar as coisas, e ficaremos extremamente decepcionados se as coisas não forem analisadas”, acrescentou.