Leclerc sobre escapada na China: “Muito estranha e imprevisível”

O estreante da Fórmula 1, Charles Leclerc, descreveu a “escapada” que acabou com sua corrida na China como “muito estranha e imprevisível”.

O piloto da Sauber superou seu companheiro de equipe, Marcus Ericsson, pela primeira vez durante a qualificação de sábado. Mas um giro na Curva 1 mandou Leclerc para a brita e causou danos no chassi que comprometeram o restante da corrida e o deixaram na P19, último a terminar a corrida.

Leclerc inicialmente pensou que o dano no chassi poderia ter forçado o giro, mas a equipe determinou mais tarde que foi um resultado da escapada e não a causa. Ele disse á ‘Autosport’ que foi “muito estranho, porque nas primeiras voltas eu estava mais rápido nas curvas”.

“E nesta volta, na verdade, fui mais devagar e perdi a traseira de forma muito imprevisível”, acrescentou Leclerc. “Eu não consegui prever que isso aconteceria. E depois disso, nunca consegui reproduzir a velocidade que estava fazendo em todas as curvas de alta velocidade.

“A traseira estava muito solta e era muito difícil pilotar no geral”, disse o monegasco. “Curva 1, Curva 7, 8 e Curva 13 também na saída, essas curvas foram muito difíceis de gerenciar depois disso”.

O atual campeão da Fórmula 2, Leclerc, teve um início complicado em sua primeira temporada de F1, que ele admitiu na semana passada que foi reforçada pela forte forma do seu companheiro de equipe Ericsson. Ele disse que seu giro foi “um pouco frustrante”, mas acredita que a gravidade do erro foi reduzida porque a Sauber não estava brigando por pontos no Bahrain.

“É claro que eu teria preferido um resultado melhor, mas por outro lado não perdemos muito”, disse ele. “O resultado final não é o que queríamos, mas há muitos aspectos positivos”, acrescentou.

“Acho que aprendemos muitas coisas e devemos voltar mais fortes no Baku”.