Honda avalia “opção” entre penalidades e atualizações após acidente de Hartley

A Honda está avaliando como lidar com o dilema sobre os componentes do motor do carro de Brendon Hartley, após o acidente de alta velocidade da Toro Rosso, em Barcelona.

Hartley exigiu uma mudança completa no motor da Honda, depois de perder a traseira e se chocar contra as barreiras nos treinos finais para o GP da Espanha. Ele perdeu a qualificação, mas voltou para a corrida com um novo pacote completo do motor híbrido – motor de combustão interna, MGU-H, MGU-K, turbo-compressor, eletrônica de controle e armazenamento de energia – e uma nova caixa de câmbio.

Hartley já está em seu terceiro MGU-H e turbo da temporada, devido a Honda ter mudado as duas partes, depois de um problema no GP da Austrália.

“Estamos pensando em fazer algumas opções. Vamos checar a unidade de energia que caiu, mas parece um grande dano. Então, a Honda fará opções no lado da unidade de potência, e então poderemos trabalhar com a equipe sobre como podemos administrar a situação. Além disso, não sabemos (o que pode acontecer) na próxima corrida!”, revelou o diretor técnico da Honda, Toyoharu Tanabe, à “Autosport”.

Acredita-se que a Honda esteja trazendo sua primeira grande atualização para o GP do Canadá, em junho. A questão agora, para a Honda e Toro Rosso, é se a Hartley leva o acerto assim que a atualização chegar, ou se continuar com as peças atuais para evitar um grande número de penalidades no grid, devido a troca de peças.

Se Hartley não receber as atualizações, ele poderá ter que disputar algumas de corridas com um motor com especificações mais baixas. Esse plano também exigiria que o mecanismo atual concluísse oito provas.

Situação semelhante vive Kimi Raikkonen, que enfrentou uma troca de motor na Espanha e pode perder as atualizações da Ferrari, caso tente evitar penalidades no grid.

>> Raikkonen deve evitar troca de motor após falha no GP da Espanha