Hamilton muda discurso e aceita introdução do “halo”

Depois de ouvir os argumentos da FIA para a introdução do dispositivo “Halo” de proteção ao cockpit, Lewis Hamilton está agora disposto a aceitar a sua introdução no próximo ano. Anteriormente o piloto da Mercedes era um dos seus maiores críticos.

“Eu prestei muita atenção na apresentação que fizeram sobre ele”, disse ele. “Eu levo a segurança muito a sério e eu acho que é interessante, apesar de não parecer bonito e nem com o espírito de corrida, você não pode ignorar o fato de que as chances seriam 17% maiores de salvar a vida de um piloto em incidentes que aconteceram no passado”.

“No entanto, ainda temos que continuar a melhorar, e, em algum momento, teríamos que fechar o cockpit completamente. Há ainda alguns exemplos, como o acidente de Felipe (Massa) aqui na Hungria em 2009, onde (o halo) não teria impedido seus ferimentos. Eu acho que Justin (Wilson, que morreu na F-Indy) não teria sido salvo porque foi um objeto pontiagudo pelo alto, mas um cockpit fechado talvez funcionasse”, prosseguiu.

“Você não pode ignorar completamente isso. Se houver alguma outra maneira de fazer com que (a segurança) pareça um pouco melhor, então tudo bem, mas se não, então (o Halo) é uma coisa de segurança que temos de aceitar”, explicou o inglês, que vê a segurança como prioridade sobre a estética.

“Parecia terrível (no teste inicial da Ferrari), mas você não pode ignorar o fato de que um de nós vai ter 17% a mais chances de sobreviver a um incidente grave. Temos que continuar a avançar, mas eu não testei ainda, então tudo o que posso dizer só de olhar para ele é que parece que não pertence a um carro de F1”, concluiu.