Hamilton acredita que a Mercedes não arrumará os problemas do W08

Lewis Hamilton sente que a Mercedes não irá melhorar os principais pontos fracos de seu carro de Fórmula 1 até a próxima temporada.

Embora Hamilton tenha conquistado a vitória no Grande Prêmio de Cingapura, a Mercedes geralmente tem enfrentado dificuldades em circuitos que exigem alta carga aerodinâmica.

A Ferrari fez a dobradinha nem Mônaco e Hungria, e Sebastian Vettel conquistou a pole em Cingapura antes de abandonar logo depois da largada, enquanto Hamilton se classificou 0.635s atrás na quinta posição com Valtteri Bottas 1.319s atrás do pole.

“Acho que este fim de semana (Cingapura) realmente mostra os pontos fortes e fracos do nosso carro e suas características”, disse Hamilton.

“No seco, estávamos perdidos, então vencer em nosso pior circuito desde Mônaco obviamente é um ótimo resultado”.

“Precisamos continuar tentando extrair tudo deste carro.

“Entendemos o que podemos fazer, potencialmente no futuro, para melhorá-lo. Não vai acontecer com este carro, talvez com o próximo.

“Só não podemos fazer alguma coisa que o piore, porque na verdade ele é muito bom nos outros aspectos”.

Apesar de ter aberto uma vantagem de 28 pontos sobre Sebastian Vettel no campeonato e das pistas restantes do calendário serem mais adequadas para a Mercedes, Hamilton está prevendo uma batalha acirrada até o final do ano.

“Creio que deveremos andar bem na Malásia”, acrescentou ele. “Depois temos o Japão, circuito de alta pressão aerodinâmica, pode ser apertado – a Red Bull é extremamente forte naquela pista, com certeza não será a melhor para nós”.

“Em Austin, acho que seremos competitivos. O Brasil é um lugar onde a Ferrari será particularmente forte. Para ser honesto, acredito que as próximas corridas serão bastante acirradas. É difícil fazer previsões”.

“Talvez seja necessário andar com pressão aerodinâmica máxima no México, por exemplo, por causa da altitude elevada; há pouco arrasto e os carros que têm um pouco mais de downforce podem levar vantagem sobre nós. Mas são apenas rumores. Vamos descobrir quando chegarmos lá”.