GP do Brasil 2017: Ecclestone novamente coloca dúvida sobre realização do GP

Bernie Ecclestone diz que está de acordo com sua decisão de levar a Fórmula 1 para novos territórios ao redor do mundo. O ex-detentor dos direitos comerciais do esporte insistiu que ele acreditava que promoções para realizar grandes eventos no Bahrain, China e Rússia beneficiaram o esporte.

Em uma entrevista para Craig Slater do ‘Sky Sports News’, Ecclestone comentou que ele havia iniciado o processo nos anos 80 com uma corrida que agora é considerada uma das principais do campeonato.

“Quando eu coloquei a corrida na Hungria, foi por ‘baixo dos panos’. Os contratos e os acordos que fiz foram com a KGB, como acontece. Eu queria sair da Europa, o mundo é um pouco maior do que a Europa, é por isso que acho bom estar na Rússia, em Baku e em qualquer outro lugar”, afirmou ele.

Ecclestone disse que o dinheiro não tinha desempenhado um papel na decisão de expandir o esporte para nações que têm sido frequentemente criticadas por grupos de direitos humanos.

“Teríamos ido a esses lugares, a esses países, se pagassem o mesmo preço que os europeus? A resposta é sim. Espero que eles não ouçam isso e sintam que eu os roubei um pouco! Eles estão mais ou menos parelhos e todos parecem muito felizes com o negócio. Isso lhes serviu e nos serviu”, explicou o veterano.

Mas como novas corridas foram adicionadas ao calendário, antigas favoritas caíram fora. A última ameaça é o Brasil, que segundo Ecclestone, o novo chefe da Fórmula 1, Chase Carey, pediu-lhe para intervir.

“A única coisa que Chase me pediu para fazer é – ele sabia que eu iria neste fim de semana para o Brasil para conversar novamente com o presidente e ver se eu posso persuadi-lo a colocar algum dinheiro na corrida do Brasil”, comentou.

“Caso contrário, é possível perder essa corrida, o que eu não gostaria que acontecesse, já que a trouxe 45 anos atrás e é uma boa corrida”, concluiu Ecclestone.

  • Deivith Santos

    O Brasil devia parar de se preocupar com a F1. É um evento legal, lindo e tudo mais, só que estão desfazendo do Brasil, dizendo todo ano que querem tirar o evento daqui. aqui pelo menos 180 milhões de pessoas assistem e compram produtos da Formula 1. Mas se querem tanto tirar o evento do Brasil, que seja feita a vontade deles. Só que divido que o brasileiro vá querer comprar produtos da F1 ou assisti-la depois disso. E será que a Globo vai querer passar as corridas de F1 tirando a corrida do Brasil, e tirando todos os pilotos brasileiros?

    • silvio arruda garcia

      Nenhum brasileiro ganha mesmo. Por mim já vai tarde, mesmo assim todos os anos são iguais ameaçam pois só querem isenções e que o poder público banque os custos.

  • Nilton Ballero

    Isso é pressão porque o Bernie Ecclestone quer comprar o Circuito de Interlagos a troco de banana, e já se reuniu com o atual prefeito de São Paulo, que já disse um dia depois de se eleger, que pretendia privatizar o autódromo. Essa reunião é para o futuro do autódromo e n~~ao necessariamente do GP Brasil de F1, precisaria acompanhar isso pra no final não perdemos aquela área.