FIA considera proteger o cockpit somente a partir de 2018

A proteção do cockpit poderá não fazer a sua estreia na Fórmula 1 em 2017. Agora posicionada mais para a frente para impedir que a cabeça de um piloto possa acertar a estrutura-base de titânio em um acidente, a segunda versão do “Halo” teve o seu passeio inaugural na sexta-feira com a Ferrari de Sebastian Vettel.

“Meu sentimento com ele não foi ótimo”, disse Vettel ao ‘UOL’. “Eu acho que o impacto em termos de visibilidade é muito”.

Na verdade, a FIA se reuniu com chefes técnicos da F1 na quarta-feira em Silverstone e foi recebida com uma atmosfera cética, de acordo com a revista alemã ‘Auto Motor und Sport’. Um novo medo é que, “no caso de um acidente em ‘T’, o Halo poderia agir como uma guilhotina”, segundo Andy Green, da Force India.

Entende-se que Christian Horner, da Red Bull está convocando uma votação do grupo de estratégia sobre a questão antes das férias de verão, com a Auto Motor und Sport, que acredita que um atraso até 2018 é atualmente o resultado mais provável. O relato alemão, entretanto, acrescentou que o “Halo 3” agora terá que ser desenvolvido.

  • Murillo

    A melhor notícia do ano! Torço muito pra que esse negócio jamais saia do papel. E o piloto que estiver se sentindo inseguro no atual modelo, que vá correr de GT! F1 é assim desde sempre. Quando aceitou correr de monoposto já conhecia o risco do cockpit aberto.