Ferrari e Renault chegam pressionadas para GP de Cingapura

Não é frequente que Ferrari e Renault sejam mencionadas na mesma frase tratando-se de F1, no entanto, neste fim de semana em Cingapura elas têm algo em comum – ambas têm pilotos sob pressão.

Para a Ferrari, a corrida deste fim de semana no circuito de Marina Bay está sendo anunciada como a melhor chance de lutar contra a Mercedes em uma batalha pelo título que está começando a sair do seu alcance.

Embora apenas três pontos separem Lewis Hamilton e Sebastian Vettel no topo da classificação, está pela primeira vez à favor de Hamilton depois que a liderança mudou de mãos em Monza.

Isso, sem dúvida, marcou a pior corrida da Ferrari desta temporada com o terceiro lugar de Vettel, com enormes 36 segundos atrás de Hamilton. E na corrida em casa da Ferrari!

Em Cingapura, no entanto, haverá uma luz brilhando sobre eles, graças em parte aos cerca de 1.600 holofotes usados durante a corrida noturna. O circuito de Marina Bay é um circuito da Ferrari com alto downforce, curvas de baixa velocidade e calor. Mais ainda, é um circuito de Vettel.

O alemão venceu quatro corridas em Cingapura, a mais recente em 2015 com a Ferrari e, na última temporada, saiu da parte de trás do grid para o quinto lugar, subindo 17 posições em uma pista de rua onde a ultrapassagem é notoriamente difícil.

Outro alemão também está ansioso por um bom resultado em Cingapura: é Nico Hulkenberg, já que o piloto da Renault enfrenta a duvidosa perspectiva de quebrar um novo recorde de um piloto com maior número de largadas sem um pódio, 129.

Enquanto Hulkenberg mostrou-se promissor ao longo de sua carreira de F1 de sete anos, ele ainda não conseguiu um pódio. No momento, ele está empatado com Adrian Sutil, mas ficar abaixo do terceiro lugar no domingo tornará o recorde todo seu. Sutil será confinado aos anais da história.