Ferrari proibida de usar espelhos retrovisores no halo a partir de Mônaco

A FIA declarou que as asas “aerodinâmicas” – criadas a partir dos retrovisores acoplados ao halo – são ilegais, mas o novo visual vai ficar para o GP da Espanha.

O time de Maranello terá que remover seus espelhos retrovisores a partir do próximo GP de Mônaco, depois que a FIA decidir que o novo design é ilegal, segundo apurado pela ‘Sky Sports’.

A Scuderia introduziu um design muito modificado, no SF71-H, neste fim de semana, com os espelhos retrovisores subindo para o Halo – com winglets aerodinâmicos – em uma mudança que a equipe acreditava estar de acordo com as regulamentações pós GP da China. O novo modelo de espelho da Ferrari, liberou espaço para um melhor fluxo de ar para o sidepod, enquanto também se acredita que tenha tido um impacto aerodinâmico positivo no carro.

Mas, após os protestos dos rivais da equipe, o diretor de prova da FIA Charlie Whiting e o delegado técnico Jo Bauer investigaram o conceito, durante o final de semana em Barcelona e agora proibiram o projeto. Entretanto, os espelhos deveram permanecer onde estão, pelo restante do GP da Espanha, devido à dificuldade de modificações em curto espaço de tempo.

Christian Horner, chefe da Red Bull, acredita que será o fim da “modificação”: “Eu não acho que você vai vê-los em outra corrida, é o meu entendimento”, disse ele à ‘Sky F1’.

A FIA havia confirmado que os espelhos poderiam ser montados no halo, após o GP da China – mas deixava espaço para muitas diretrizes e insistiu que qualquer projeto deveria ser adequado aos regulamentos técnicos.