F1 estuda introduzir peças “padrão” para reduzir custos

A Fórmula 1 pode introduzir partes padronizadas a fim de acabar com a enorme diferença de gastos no grid, confirmou Chase Carey, CEO da categoria.

Os orçamentos da F1 variam intensamente, com a Ferrari gastando estimados 330 milhões de libras no ano passado e equipes como Force India e Sauber gastando 90 e 95 milhões, respectivamente.

O diretor executivo da McLaren, Zak Brown, apoiou um limite de orçamento no passado e também afirmou que “há alguns que pensam que devemos padronizar algumas partes”.

Carey agora confirmou que as peças “padrão” são uma opção que a F1 considera para reduzir os custos, e reiterou a afirmação do chefe esportivo da Liberty, Ross Brawn, de que a tecnologia não deve ser “apagada”.

“Há muitos caminhos para chegar lá, seja o teto orçamentário ou outras maneiras de abordar componentes importantes do carro”, declarou Carey.

“Não estamos tentando padronizar o carro – acreditamos que é muito importante continuar tendo uma categoria que alia a competição às tecnologias de última geração”.

“Não queremos piorar os carros, mas acho que podemos padronizar componentes dele. Certamente, estamos analisando maneiras de controlar o que algumas equipes em particular gastam”.

“Isso melhoraria a economia geral do negócio e permitiria que todos se beneficiassem, além de também melhorar a competição”.