Equipes rejeitam Budkowski na Renault: “Potencial conflito de interesses”

As seis principais equipes da Fórmula 1 escreveram ao presidente da FIA, Jean Todt, e ao CEO da F1, Chase Carey, expressando preocupações com a potencial ida de Marcin Budkowski para a Renault.

Budkowski, ex-chefe de aerodinâmica da Ferrari e McLaren, pediu demissão de seu cargo de chefe do departamento técnico da F1 na semana passada. Budkowski tinha acesso a informações internas de todas as equipes.

As equipes ficaram alarmadas quando souberam que Budkowski ficará em afastamento remunerado por apenas três meses, significando que ele poderá começar a trabalhar na Renault no final do ano e talvez dar uma contribuição importante para o carro de 2018.

O assunto foi discutido em uma reunião informal das seis equipes do Grupo de Estratégia na Malásia que teve a presença de Toto Wolff (Mercedes), Christian Horner (Red Bull), Maurizio Arrivabene (Ferrari), Eric Boullier (McLaren), Paddy Lowe (Williams) e Bob Fernley (Force India). Atualmente, a Renault não faz parte do Grupo de Estratégia.

A carta que resultou da reunião pede novos protocolos para funcionários da FIA e da Liberty Media, com um período muito mais longo antes de poderem assumir cargos em equipes. A Liberty foi incluída porque agora possui uma forte representação de pessoal técnico trabalhando em novos regulamentos.

“Desejo o bem a Marcin (Budkowski), ele é um bom cara”, disse Wolf ao site ‘Autosport’.

“Se ele pode voltar para uma equipe e continuar sua carreira, não vou ser eu à evitar.

“Mas, como funcionário da FIA, se você faz regras e cuida das diretrizes técnicas, você não pode negociar um contrato para se juntar a um time e em três meses já estar com eles.

“Pode haver um potencial conflito de interesses, o que não estou dizendo que ele esteja fazendo, mas deveria haver algum tipo de política ética que todos seguimos.

“Nós não queremos que ele pareça comprometido em uma posição já que ele está fortemente envolvido na criação de regras e, por outro lado, conversando com as equipes”.