“Chefes intocáveis” e “Freddo de 25 centavos” podem se transformar em greve na McLaren

Na última semana as informações se deram de que as coisas não vão muito bem internamente na McLaren.

O ‘Sportsmail’ relatou que os funcionários da equipe britânica estavam planejando uma “revolta”, pois estão furiosos com a “incompetência de seus líderes”.

Também o ex-McLaren Martin Whitmarsh fez alegações sobre má administração e proteção de funcionários, mas a equipe reagiu dizendo que seus comentários são “injustos e mal informados”. Também um funcionário falou sobre um ambiente “tóxico” que vê recompensas de trabalho com barras de chocolate de 25 centavos – embora de euros.

O funcionário, falando sob garantia do anonimato, disse ao ‘Daily Mail’: “Temos trabalhado todas as horas do dia, suando sangue, eles nos dão barras ‘Freddos (marca de barras de chocolates) de 25 centavos.

“A gerência entrega aos supervisores para dividi-los entre os membros de sua equipe. Estritamente um cada um. Os ‘Freddos’ são entregues quando um pacote (de atualização) é feito em um cronograma apertado.

“Por exemplo, recebemos duas semanas para produzir o pacote de atualização da Espanha em maio. Todos trabalhamos 24 horas por dia, 7 dias por semana, para cumprir o prazo. Nós fizemos isso a tempo. Então, uma semana depois, um Freddo foi entregue a todos os funcionários envolvidos como ‘um bônus’. Os supervisores ficaram com vergonha de entregá-los.

“Também recebemos um ‘Freddo’ no ano passado depois de construir o carro.”

O relato do ‘Daily Mail’ diz ainda que os chefes tinham “pedido aos funcionários para construírem protótipos de madeira se tivessem alguma ideia” para resolver os problemas do carro da McLaren.

“Isso mostra como eles são ignorantes. Eles nos disseram no após o GP do Canadá que sabiam o que havia de errado com o carro, mas não como consertá-lo. Eles ficam nos perguntando enquanto ganham salários de seis dígitos.

“Chamamos quatro gestores de ‘Intocáveis’. Eric Boullier, diretor de corridas, Matt Moris, engenheiro-chefe, Simon Roberts, diretor de operações, e David Probyn, diretor de operações. Alguns deles ficam apenas conversando. Nós não temos respeito por eles.

“As pessoas estão começando a boicotar as reuniões porque são uma piada. A atmosfera é tóxica. Gostaríamos de entrar em greve, mas as pessoas temem por seus empregos.”

A McLaren nega e insiste que o ambiente é bom dentro da equipe.

“A McLaren tem uma das equipes mais leais e tradicionais de todas a indústria automobilística. Nossos líderes de equipe são livres para recompensar seus funcionários com presentes espontâneos, por consideração pu diversão sempre que sentirem que um trabalho ou tarefa é digna de reconhecimento e recompensas extras.

“Este foi apenas um exemplo, ao lado de tantos outros que acontecem diariamente.”