Charlie Whiting explica por que primeira largada foi abortada

O diretor de provas da Fórmula 1, Charlie Whiting, revelou que abortou a primeira largada do GP da Austrália porque estava incerto de que era seguro continuar depois que um fiscal disparou uma luz de advertência.

A largada original foi abandonada, com os pilotos sendo enviados para outra volta de formação, depois que Sergio Pérez hesitou em entrar na sua posição do grid, e, em seguida, houve um sinal de alerta amarelo após Daniil Kvyat ter chegado na sua posição.

Whiting disse que a combinação de eventos significava que ele não estava totalmente certo de que teria sido seguro continuar com a corrida nesse momento. “Eu abortei a largada porque havia incerteza, e eu sempre quero ter certeza, ou tão certo como possível, de que tudo esteja bem antes de pressionar o botão de largada”, disse Whiting ao site Autosport.

“Em primeiro lugar, Pérez puxou para a posição errada, mas, depois de alguns segundos nessa posição, começou a puxar para a frente. Ao mesmo tempo, o fiscal responsável pelo painel de luz ao lado do carro de Kvyat pressionou o botão amarelo que indicava um problema”, explicou.

“Nem eu nem meus colegas no controle de corrida pudemos ver um problema, então eu senti que a opção mais segura era abortar e enviá-los para outra volta de formação”, prosseguiu o dirigente.

Não havia nenhuma resposta firme a respeito de porque o fiscal tinha disparado o sinal de advertência amarelo para Kvyat – mas a situação poderia ter sido causada por um excesso de zelo, debido a um pequeno fogo no carro enquanto a equipe tinha trabalhado nele no grid.

Whiting acrescentou: “Ficou claro no vídeo que não havia nada de errado com o carro do Kvyat, ele nem fez qualquer sinal, então pode muito bem ter sido um caso de nervos por parte do fiscal. Não explica completamente por que o botão foi pressionado, mas as pessoas às vezes fazem coisas inexplicáveis ​​sob pressão”.

“Em todo o caso, porém, o ponto principal é que havia incerteza sobre se era seguro para dar a largada, então foi abortada. Nenhum piloto parecia ser culpado por isso, nenhum piloto foi obrigado a começar a partir do pitlane”, concluiu ele.