Charlie Whiting defende chamada do safety car durante GP da China

Charlie Whiting, diretor de corrida da Fórmula 1, defendeu sua decisão de usar o safety car durante o GP da China, após pesadas críticas por parte do piloto Sebastian Vettel. O safety car foi chamado, depois que os pilotos da Toro Rosso, Pierre Gasly e Brendon Hartley, colidiram, deixando na pista vários pedaços de fibra de carbono dos carros, que tiveram que ser retidos da pista. Hartley foi atingido por Gasly na 31ª das 56 voltas da corrida.

O tetracampeão da Ferrari, foi o piloto mais enfático contra a entrada do safety car durante a prova. O alemão considerou que o momento da implantação do carro de segurança, deveria ter sido organizada para garantir que ele não fosse colocado em desvantagem. Vettel terminou a corrida em oitavo, depois de ter tido um contato nas voltas finais da prova com Max Verstappen.

Mas o diretor da F1 defendeu sua decisão: “Se decidimos usar o safety car, foi por questões de segurança e não vejo quem foi favorecido e desfavorecido. Os destroços (após a colisão das Toro Rosso) estavam espalhados por uma grande área e eu queria esperar até que o Safety Car tivesse todos os carros atrás dele, antes de mandar qualquer comissário para fora (limpar a pista)”, disse Whiting.

“Se você tem os Marshals (encarregados de pista) percorrendo um longo caminho, eles estão expostos lá fora. Eu sei que os carros estão andando à 30% de uma volta real, mas ainda é bem rápido e eu não tenho certeza se você pode confiar totalmente nos pilotos para fazer a coisa certa”, concluiu Charlie Whiting.