Carey: “F1 eliminou US$ 1 bilhão de sua dívida”

O CEO da Fórmula 1, Chase Carey, afirmou que US $ 1 bilhão da dívida foi “eliminada”, já que o proprietário Liberty Media revelou seus resultados financeiros para o segundo trimestre de 2017.

A Fórmula 1 teve um aumento na receita geral no segundo trimestre de 2017 em relação ao mesmo período do ano passado, com uma receita total de 616 milhões de dólares (1 bilhão, 955 milhões de reais).

No entanto, a receita operacional diminuiu de 90 para 45 milhões de dólares, enquanto as despesas operacionais cresceram no período de três meses de abril a junho.

“Nós acabamos de passar do meio da temporada de 2017, e o público, a audiência e o engajamento em plataformas digitais aumentaram”, disse Chase Carey, presidente e CEO da Fórmula 1.

“Estamos no processo de desenvolver o nosso plano estratégico de três a cinco anos, ao mesmo tempo em que focamos em prioridades fundamentais, como a melhoria e a construção de engajamento de fãs que impactarão positivamente o negócio e criarão bases para resultados a longo prazo”.

O Grupo Fórmula 1 ainda está em processo de construção da base de empregados, que, além de outros investimentos esperados no esporte, verá os custos continuarem a crescer neste trimestre.

“A contagem da cabeça corporativa foi de 70-75, e provavelmente dobrou”, afirmou Carey. “Nós ainda estamos construindo isso. Nós contratamos a maioria dos executivos seniores, mas nós não construímos a equipe completamente”.

“Falamos de cerca de 50 milhões de dólares por ano e, à medida que passamos pelo processo de planejamento e orçamento, este outono provavelmente será refinado, porque é mais do que apenas contagem de cabeças”, explicou ele. “Tivemos eventos como o F1 Live em Londres, que pensamos ser o tipo de evento que é importante para o envolvimento com os fãs de forma muito mais ativa e ampla”.

“Estamos empenhados em parceiros digitais”, prosseguiu o CEO. “Atualmente, não temos uma plataforma digital apropriada, então há investimentos que fizemos para apoiar uma plataforma digital para a frente. Nos próximos meses, pela primeira vez, estamos refinando nossos planos em torno disso”.

Os resultados trimestrais divulgados nesta semana também revelaram que o Grupo Fórmula 1 reduziu consideravelmente sua dívida pendente graças a ofertas de dívida e negociações bem sucedidas. Curiosamente, o presidente e CEO da Liberty Media, Greg Maffei, revelou que a remuneração de Chase Carey é fortemente baseada em desempenho.

“Nós não planejamos publicar seu contrato”, completou Maffei. “Mas eu queria compartilhar o fato de que a maioria substancial da compensação de Chase está relacionada ao desempenho, e vinculada ao desempenho operacional na F1 diretamente ou ao estoque do Grupo F1”.

Carey, portanto, tem envolvimento na F1 e um incentivo pessoal para ver o esporte prosperar, juntamente com seus acionistas.