Aston Martin Red Bull Racing: Aston Martin fecha contrato com a Red Bull

O fabricante britânico de carros esportivos de luxo, a Aston Martin, se tornará o principal patrocinador da Red Bull na temporada de 2018, com a equipe passando a ser conhecida como Aston Martin Red Bull Racing no futuro.

A Red Bull e a Aston Martin uniram forças no início de 2016, inicialmente colaborando no hiper-carro de Valquia, anteriormente identificado pelo seu nome código “AM-RB 001”, que está programado para ser lançado em 2018.

Durante o inverno europeu, a Red Bull estendeu seu contrato com a Aston Martin, descrevendo como “uma decisão simples e agradável” pelo chefe de equipe Christian Horner, dado o sucesso do projeto’ Valkyrie’.

O CEO da Aston Martin, Andy Palmer, participou do recente Grande Prêmio de Cingapura para “negociar sua função no esporte para o próximo ano”, em meio as conversas sobre aumentar a participação na Red Bull.

Ele também revelou que a Aston Martin “pode estar interessada” em se tornar  um fornecedor de motor da Fórmula 1 após 2020, dependendo do resultado das negociações de regulamentos em curso.

Na manhã desta segunda-feira, foi anunciado que a Aston Martin se tornará o parceiro titular da Red Bull a partir de 2018, descrito como o “próximo passo lógio” para a parceria.

Como parte do aprofundamento da relação entre Red Bull e Aston Martin, um Centro de Desempenho Avançado estará localizado na base da Red Bull, em Milton Keynes. Ele abrigará 110 funcionários de design e engenharia da Aston Martin, que trabalharão ao lado dos colegas da Red Bull Advanced Technologies para criar sucessores do Valquíria.

“Tendo concebido e criado o extraordinariamente bem-sucedido Aston Martin Valkyrie juntos em 2016, ampliamos nosso relacionamento este ano e agora estamos muito satisfeitos em fortalecer ainda mais a parceria e ver a equipe correndo com o nome Aston Martin Red Bull Racing a partir de 2018”, disse Horner.

Palmer acrescentou: “Estamos aproveitando a consciência da marca global que uma Fórmula 1 revitalizada oferece.

“As discussões da unidade de potência nos interessam, mas somente se as circunstâncias estiverem corretas.

“Não estamos prestes a entrar em uma guerra do motor sem restrições em horas de custo ou dinamômetro, mas acreditamos que, se a FIA puder criar o ambiente certo, estaríamos interessados em nos envolver”.