Equipes descartam o retorno do reabastecimento durante as corridas

A Fórmula 1 abandonou a ideia de retomar o reabastecimento durante as corridas, segundo o site da revista britânica ‘Autosport’.

A sugestão havia sido feita pelo presidente da FIA, Jean Todt, que estava analisando o caso. Mas depois de uma reunião do Grupo de Estratégia e depois da Comissão da F1, o sentimento geral foi de que o retorno de reabastecimento iria colidir com os planos de controle de custos.

Todt afirma que as despesas aumentariam em apenas 50 mil euros ao ano por equipe, o que foi rechaçado.

A possibilidade já havia sido discutida em maio de 2015 como parte dos planos para melhorar e aumentar o show em 2017. Os pilotos apoiaram em peso, mas as equipes vetaram.

A Williams foi a equipe que mais se manifestou contra o reabastecimento. “As fabricantes gastaram centenas de milhões com esses novos motores híbridos”, explicou a Claire Williams, vice chefe da equipe. “Eles são muito mais importantes para os carros de rua, precisamos ter na sociedade conversas sobre energia eficiente”.

O diretor-técnico da Williams, Pat Symonds, também é contra. “Abastecer tira o espetáculo da corrida, a incerteza da corrida. Nós determinamos nossos pit-stops com base no que os nossos pneus estão fazendo, o que não será necessariamente o que previmos, e o que está acontecendo ao nosso redor com os nossos concorrentes. No minuto em que você tem reabastecimento, torna-se determinístico – se você colocar combustível para chegar à 24ª volta, você para nesta volta”, concluiu.