Comissão da F1 aprova limite de custos para motores

A Comissão da Fórmula 1 aprovou na terça-feira um plano das fabricantes de motores da categoria de limitar o custo do fornecimento para equipes clientes.

Relatos antes da reunião em Genebra haviam indicado que Mercedes, Ferrari, Renault e Honda apresentariam uma proposta para reduzir seus preços a 12 milhões de euros por temporada.

O plano supostamente contava com o apoio de Jean Todt, presidente da FIA, mas acreditava-se que Bernie Ecclestone queria uma mudança mais substancial no controverso regulamento das unidades de potência.

Entretanto, fontes de mídia internacionais, incluindo a revista alemã ‘Auto Motor und Sport’ e os jornais ‘Gazzetta dello Sport’ e ‘L’Equipe’, dizem que a Comissão da F1 aprovou a proposta alternativa das fabricantes na terça-feira.

O jornal italiano afirmou que o plano, programado para 2018, também envolve “garantir o fornecimento” de motores a todas as equipes, impedindo o tipo de crise que afetou a Red Bull no ano passado.

E a revista alemã acrescentou: “Visando reduzir ainda mais os custos, foi decidido que, a partir de 2018, apenas três caixas de câmbio serão usadas a cada temporada”.

Finalmente, acredita-se que a ideia de Todt de trazer o reabastecimento de volta foi descartada pela Comissão da F1, de acordo com fontes próximas à FIA.