Jean Todt, presidente da FIA: “Situação de Michael Schumacher é dolorosa”

Jean Todt admite que ver seu amigo e ex-piloto Michael Schumacher na situação atual é “doloroso”. O sete vezes campeão mundial sofreu ferimentos graves na cabeça em um acidente de esqui em dezembro de 2013. Ele passou seis meses em coma antes de voltar para casa e continuar a sua recuperação.

Desde então, as atualizações sobre o estado do alemão são muito limitadas, com sua empresária negando recentemente que ele poderia estar caminhando com ajuda. O presidente da FIA conquistou ao lado de Schumacher cinco títulos com a Ferrari (2000-2004), e também era próximo de Jules Bianchi, que morreu no ano passado após acidente na Fórmula 1 e era empresariado por seu filho Nicolas.

Em declarações à Palestra Sid Watkins sobre segurança no automobilismo no Autosport Show, o francês confessou que seus dois últimos anos têm sido difíceis. “Eu não vou compará-los”, disse. “Eu conhecia Jules através de meu filho, que era seu empresário. É terrível perder alguém em um acidente”.

“Michael é diferente porque ele era como minha família. Quando você tem alguém que é da família, que é muito próximo e que fica ferido, é doloroso, e você tem que estar com eles”, completou Todt, que recentemente encontrou o Papa Francisco para falar sobre os desafios da segurança rodoviária global, e pediu a ele para fazer uma oração para a saúde e recuperação de Schumacher.