Ferrari sugere que FOM banque o custo do desenvolvimento de um motor alternativo

As fabricantes de motores da Fórmula 1 estariam dispostas a desenvolver uma unidade de potência para as rivais, mas a organização de Bernie Ecclestone deveria bancar o custo, de acordo com o presidente da Ferrari, Sergio Marchionne.

As fabricantes têm até sexta-feira desta semana para apresentar à FIA propostas visando resolver as preocupações relacionadas aos motores, particularmente o preço do fornecimento das unidades de potência. Isso foi estabelecido após a decisão de rejeitar um motor alternativo mais barato para equipes independentes.

Marchionne disse que não é contra o conceito e está aberto à participação das fabricantes – desde que a Formula One Management pague a conta.

“Se você disser à Mercedes ‘por favor, nos dê um grupo de engenheiros para desenvolver paralelamente um motor diferente que esteja de acordo com as regras da F1 e tenha um determinado preço’, acredito que a FOM deveria cobrir essa quantidade de dinheiro”, declarou Marchionne.

“A Ferrari está disponível para se juntar a um projeto para desenvolver unidades de potência. Também poderíamos considerar o compartilhamento de nossa tecnologia, mas não devemos ser os únicos. Os compromissos de desenvolvimento deveriam ser compartilhados com as outras equipes que têm as unidades, e é claro que deve ser feito em termos econômicos”.

As fabricantes de motores receberam uma solicitação para reduzir os custos, mas Marchionne afirmou que é “inadequado” pedir para que elas gastem dinheiro desenvolvendo uma nova fórmula de motor e então ditar quanto elas podem cobrar independente do modelo de negócios.

“A Ferrari gasta bastante dinheiro na F1 e isso tem um grande impacto nas marcas e no desenvolvimento de muitas de nossas atividades comerciais que não têm tanta relação com a categoria”, disse ele. “Custa uma quantia significativa de dinheiro”.

“Também é caro para a Mercedes. Parece que o único que sai ganhando é Bernie. Aqueles que estão gerenciando os direitos comerciais deveriam assumir sua responsabilidade. Nós também temos uma responsabilidade, mas é diferente. Uma mudança nas regras, impondo obrigações para Ferrari ou Mercedes, é absolutamente inadequada”.