Ecclestone revela que Mercedes causou o fim da parceria entre Red Bull e Renault

Bernie Ecclestone afirma que a Red Bull rescindiu o seu contrato com a Renault como resultado de instruções da Mercedes. A equipe austríaca ameaçou abandonar a Fórmula 1 caso não conseguisse um motor competitivo para 2016.

Segundo o chefe-executivo da categoria, a Red Bull encerrou seu compromisso com a Renault um ano mais cedo após a Mercedes ter concordado com uma parceria. Mas os alemães recuaram, e agora foi necessária uma restauração do acordo com os franceses, o que será confirmado dentro de uma semana.

“A Mercedes havia concordado (com a parceria)”, disse Ecclestone ao site ‘Motorsport-Magazin.com’. “É por isso que eles cancelaram seu contrato com a Renault, porque a Mercedes havia concordado, mas eles mudaram de ideia. Eles não queriam concorrência. Nem Ferrari nem Mercedes querem a concorrência da Red Bull”.

Quando foi colocado para Ecclestone que Niki Lauda (presidente não-executivo da Mercedes) afirmou que nunca houve um acordo entre Red Bull e Mercedes, o veterano respondeu: “Ele disse isso?”

“É engraçado, ele apertou a mão do dono da Red Bull. Essa é a razão pela qual eles cancelaram o outro contrato, porque Niki Lauda lhes disse que não poderia fazer um acordo com eles enquanto tivessem um contrato com a Renault. Portanto, seria melhor cancelar e depois tudo bem. Eles (Red Bull) cancelaram e, em seguida, (a Mercedes) mudou de ideia”, afirmou.

Quando Lauda foi questionado sobre os comentários de Ecclestone, explicou que o detentor dos direitos comerciais não estava ciente de toda a extensão das discussões. “Bernie não estava presente na reunião”, comentou o austríaco.

“A reunião foi sobre os problemas do Sr. (Dietrich) Mateschitz com a Mercedes. Se ele poderia esquecer suas aversões. Foram apenas conversas soltas e ele disse que podia. Depois nós nunca recebemos sinais de Renault e Red Bull, é por isso que as negociações definitivas nunca aconteceram”, concluiu Lauda.